Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

E-mails indicam que Odebrecht tinha acesso a informações privilegiadas na Petrobras

Reportagem do jornal 'O Globo' identificou coincidência entre mensagens e contratação da empreiteira

Por Da Redação 10 jul 2015, 12h01

E-mails trocados entre os diretores da construtora Odebrecht indicam que a empreiteira teve acesso a informações privilegiadas da Petrobras, segundo reportagem desta sexta-feira do jornal O Globo. As mensagens constam em relatório da Polícia Federal anexado esta semana a um dos inquéritos da Lava Jato. Ao cruzar os e-mails a contratos da obra da refinaria Abreu e Lima, a reportagem verificou que a empreiteira conseguiu vencer uma licitação pelo preço pretendido.

Leia mais:

Odebrecht pagou quase US$1 mi em propina, diz delator

Ex-diretor da Odebrecht enviou R$ 11,4 milhões para o exterior, diz Moro

Procuradoria liga telefonemas a propina da Odebrecht

Continua após a publicidade

De acordo com a publicação, duas mensagens de 2007 resgatadas pela Polícia Federal mostram que Rogério Araújo, então diretor da Odebrecht Plantas Industriais – ele foi afastado do cargo desde que foi preso na 14ª fase da Operação Lava Jato – tinha traçado uma estratégia para participar da licitação das obras de Abreu e Lima, em Pernambuco, a partir do “orçamento interno” do projeto – naquele momento, uma informação confidencial da petroleira.

Em um e-mail do dia 18 de junho daquele ano, Araújo disse que o orçamento ficaria entre 150 milhões e 180 milhões de reais. Segundo o relatório da PF que reproduziu as mensagens, Araújo ainda comentou que tinha falado com “interlocutores” e avisou que a “engenharia trabalhava na revisão do orçamento. “A revisão do orçamento vai indicar um novo número, acima dos indicados acima”. Ele também comentou que o valor só seria tornado público quando fossem divulgadas as propostas dos concorrentes – o que viria a acontecer quatro dias depois.

A Petrobras recebeu cinco propostas de concorrentes e o projeto do consórcio liderado pela Odebrecht (com Camargo Corrêa, Galvão Engenharia e Queiroz Galvão) foi aquele com menor valor: 433,5 milhões de reais. A proposta da Odebrecht foi aprovada no dia 12 de julho daquele ano e o valor do orçamento interno da estatal ficou apenas 5,32% abaixo do que Araújo tinha antecipado.

Em nota ao jornal, a empreiteira afirmou: “A Odebrecht relaciona-se com a Petrobras há muitos anos, como fornecedora, cliente e sócia. Este relacionamento, como todos os demais da Odebrecht, ocorre rigorosamente dentro da lei, com ética e transparência. Todos os contratos de prestação de serviços conquistados com a Petrobras ocorreram de acordo com a legislação aplicável”.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade