Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dodge pede a procuradores da Lava Jato que continuem na função

Futura chefe do Ministério Público Federal, que assume em setembro, fez pedido na primeira reunião de transição com o atual procurador-geral, Rodrigo Janot

A futura procuradora-geral da República, Raquel Dodge, reafirmou nesta segunda-feira o convite para que os integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato vinculados à Procuradoria-Geral da República em Brasília permaneçam em seus cargos após a sua posse, marcada para o dia 18 de setembro.

A sugestão dela foi feita durante a primeira reunião do grupo de transição do comando da Procuradoria-Geral da República (PGR), conforme nota divulgada pela assessoria de comunicação do órgão. Esse encontro foi agendado pelo atual procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Segundo a nota, a força-tarefa é formada por nove procuradores que auxiliam as investigações conduzidas pelo gabinete do procurador-geral contra pessoas com prerrogativa de foro. Dodge já havia feito um convite para a equipe permanecer durante a campanha para sucessão de Janot.

Nesta segunda-feira, Dodge foi alvo de questionamentos do procurador regional da República Carlos Fernandes Lima, um dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato que atua em Curitiba. Segundo ele, Dodge precisa dar explicações a respeito do encontro que teve fora de agenda na semana passada com o presidente Michel Temer (PMDB) horas após a defesa dele ter pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) o afastamento de Janot de um inquérito que poderia envolvê-lo.

No domingo, a assessoria de comunicação da PGR divulgou nota em que detalha que Raquel Dodge havia pedido desde a semana passada o encontro com Temer para tratar da cerimônia de posse dela.

Janot destacou, após a reunião desta segunda-feira, que as reuniões do grupo de transição são de suma importância para evitar a descontinuidade das investigações em curso no gabinete do procurador-geral, bem como de outros processos judiciais e extrajudiciais de áreas como constitucional, cível, tutela coletiva e cooperação internacional. “As equipes trabalham de forma profissional e visando o interesse público. O Ministério Público sai fortalecido com isso”, disse.

(Com Reuters)

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Flavio Oliveira Melo

    Brasileiros não acreditam mais nos políticos e nem mais na democracia

    Curtir

  2. nelson masayuki Tazawa

    Sao todos(as) mentirosos(as), estamos cansados de sermos tanto enganados.

    Curtir

  3. Kelson Costa

    Uma pessoa que seu primeiro ato em uma nova função é imoral, já podem tirá como vai ser o restante…

    Curtir