Clique e assine a partir de 9,90/mês

Dilma, Moro, família e conta na Suíça: relembre frases de Cunha

Ex-presidente da Câmara, condenado a 15 anos de prisão, comandou a ruína da ex-presidente, criticou o juiz de Curitiba e negou ter dinheiro no exterior

Por Da redação - 30 mar 2017, 20h34

O ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi condenado nesta quinta-feira a 15 anos e 4 meses de prisão pelo juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância. O ex-presidente da Câmara dos Deputados, que presidiu a sessão do impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT) sempre foi conhecido pelo poder de articulação e persuasão entre seus pares.

Notório desafeto de Dilma, o peemedebista teve o mandato cassado em 16 de setembro do 2016 – o que o fez perder o foro privilegiado e cair nas mãos da 13ª Vara Federal de Curitiba, comandada por Moro. Ao longo de sua história política de ascensão, queda e prisão, Cunha protagonizou momentos marcantes no Congresso Nacional: da leitura emocionada de sua carta de renúncia à presidência da Câmara até as perguntas feitas ao presidente Michel Temer, arrolado como sua testemunha, de dentro da cadeia.

Confira as principais frases do outrora todo-poderoso Cunha:

Que Deus tenha misericórdia desta nação

Antes de proferir seu voto favorável ao afastamento de Dilma

Apenas uma frase: antes tarde do que nunca

No Twitter, sobre o afastamento de Dilma

Sem a menor chance

Sobre a possibilidade de renunciar à presidência da Câmara

A história fará Justiça ao ato de coragem que teve a Câmara dos Deputados, sob o meu comando, de abrir o processo de impeachment que culminou com o afastamento da presidente

Na carta de renúncia à presidência da Câmara

É público e notório que a Casa está acéfala, fruto de uma interinidade bizarra, que não condiz com o que o país espera de um novo tempo após o afastamento da presidente da República

Na carta de renúncia à presidência da Câmara

Meus algozes não tiveram o mínimo respeito, atacando de forma covarde, especialmente a minha mulher e a minha filha mais velha. Usam a minha família de forma cruel e desumana visando me atingir

Na carta de renúncia à presidência da Câmara

Estou preso por um decreto injusto, já que não houve qualquer fato novo para ensejar uma prisão, salvo a necessidade de me manter como troféu

Sobre a decisão de Sergio Moro de prendê-lo, em artigo na Folha de S. Paulo

Não podem ocorrer fatos tais como a entrevista em que a força-tarefa de Curitiba, quando eu ainda era presidente da Câmara, declarou minha culpa e pregou minha prisão, ignorando o fato de que eu ainda desfrutava de foro privilegiado. Ou ainda o espetáculo deprimente da denúncia contra o ex-presidente Lula – independentemente da opinião ou dos fatos, jamais poderia ter se dado daquela forma.

Sobre a força-tarefa da Lava Jato, em artigo na Folha de S. Paulo

A resposta do presidente Michel Temer nas perguntas está equivocada. Ele participou, sim, da reunião (sobre distribuição de cargos ao PMDB na Petrobras) e foi ele quem comunicou a nós o que tinha acontecido

Ao juiz Sergio Moro, sobre resposta de Temer, arrolado como sua testemunha de defesa

Não tenho conta no exterior

Em depoimento no Conselho de Ética da Câmara
Publicidade