Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Dilma lança ofensiva sobre territórios tucanos

Presidente faz seis viagens a São Paulo e três a Minas Gerais em um mês, preparando terreno para 2014. Aécio Neves começa a se movimentar

Por Gabriel Castro, de Brasília 24 ago 2013, 18h34

Quando resolveu retomar a rotina de viagens depois dos protestos que chacoalharam o país há dois meses, a presidente da República, Dilma Rousseff, optou por uma rota diferente da que havia percorrido nas semanas anteriores. Até então, ela priorizara o Nordeste. Agora, o foco é outro: São Paulo e Minas Gerais, principais territórios sob influência política do PSDB.

Desde 31 de julho, Dilma esteve cinco vezes em cidades paulistas e duas no estado vizinho. As outras viagens foram para o Rio de Janeiro, durante a Jornada Mundial da Juventude, Rio Grande do Sul, onde vive sua filha, e agendas internacionais para o Paraguai e o Uruguai.

Na semana que se inicia, Dilma não vai mudar o roteiro: na terça-feira, ela visitará Belo Horizonte. Na quinta, a presidente volta a Campinas (SP). Ao final de agosto, a soma de viagens somará seis paradas no território paulista e três no Minas Gerais em um mês. É um número incomum.

Em solo tucano

31/07 – SÃO PAULO (SP)

Anúncio de R$ 8 bilhões em investimentos do PAC Mobilidade Urbana para Fernando Haddad (PT)

7/08 – VARGINHA (MG)

Inauguração do câmpus avançado da Universidade Federal de Alfenas

12/08 – RIBEIRÃO PRETO (SP)

Inauguração do primeiro trecho do Sistema Logístico de Etanol Ribeirão Preto – Paulínia

13/08 – ITAPIRA (SP)

Inauguração da nova fábrica de biotecnologia e de citostásticos e ampliação da farmoquímica do Complexo Industrial Cristáliaus

19/08 – SÃO BERNARDO DO CAMPO (SP)

Anúncio de R$ 2,1 bilhões em investimentos do PAC para sete cidades do ABC e entrega de kit com máquinas retroescavadeiras a 100 municípios paulistas

20/08 – SÃO JOÃO DEL-REI (MG)

Anúncio da seleção de obras e recursos do PAC Cidades Históricas

22/08 – SÃO PAULO (SP)

Celebração do milionésimo contrato do Fundo de Financiamento Estudantil (FIES)

27/08 – BELO HORIZONTE (MG)

Agenda oficial a ser divulgada

Continua após a publicidade

29/08 – CAMPINAS (SP)

Agenda oficial a ser divulgada

Continua após a publicidade

O pretexto para as viagens de Dilma é o que menos importa: o essencial é ter um palanque para discursar, plateia e espaço na imprensa regional para fazer ecoar seu discurso. Em Cristália (SP), por exemplo, a presidente participou da inauguração da nova fábrica de biotecnologia e de citostáticos da cidade. Em São João del-Rei (MG), relançou um programa que já havia sido anunciado muito tempo antes: o PAC Cidades Históricas.

Leia também:

Em SP, Dilma passa mais tempo com Lula do que em evento oficial

Antes dos protestos que forçaram o governo a corrigir os rumos e prenderam a presidente em Brasília por aproximadamente um mês, Dilma priorizava o Nordeste. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, era visto como uma ameaça real para 2014, e se tornou importante fazer uma ofensiva na região onde o representante do PSB é mais forte.

Com a queda na popularidade, Dilma se recolheu no Palácio do Planalto por um mês. Depois, passou a dar ainda mais importância às viagens. E o cenário se alterou: Eduardo Campos, que ainda hesita em lançar-se candidato, é o último dos quatro principais nomes nas pesquisas eleitorais. Marina Silva ainda luta para formalizar o seu partido, a Rede Sustentabilidade, a tempo de disputar a Presidência em 2014. Por isso, a atenção do Planalto se volta para os tradicionais adversários do PSDB, que têm em São Paulo e Minas Gerais seus redutos eleitorais.

São João del-Rei, cidade visitada pela presidente em 20 de agosto, é nada menos do que a terra-natal do tucano Aécio Neves, virtual candidato do PSDB. Lá, Dilma posou ao lado de prefeitos – muitos deles, aliados de Aécio – e elogiou Tancredo Neves, avô do tucano. É uma clara ofensiva em território inimigo.

Aécio reagiu: diz que os passeios da presidente podem configurar propaganda antecipada. “É uma prerrogativa que ela tem. Mas, obviamente, a Justiça Eleitoral deve estar atenta a essa excessiva movimentação com um caráter evidentemente eitoral”, diz o presidente do PSDB e possível candidato ao Palácio do Planalto. O tucano afirma que o PAC Cidades Históricas, anunciado pela presidente em São João del-Rei, não resultou na aplicação de um real sequer.

Além da ofensiva de viés eleitoral, as viagens de Dilma para São Paulo e Minas Gerais podem ter sido motivadas pela tentativa de recuperar sua popularidade onde ela mais caiu: no Sul-Sudeste. No Nordeste e no Norte, apesar da queda, a presidente ainda tem um prognóstico eleitoral mais confortável.

Outro elemento ajuda a explicar a mudança de foco: o interesse do PT em tirar os tucanos de seus dois principais governos estaduais. Reforçar as realizações do governo petista entre paulistas e mineiros ajuda a contrabalancear a hegemonia tucana nos dois estados e pode preparar o terreno para candidaturas de oposição.

Leia também:

Queda na popularidade de Dilma é alerta para 2014

Apesar da nítida mudança de prioridade na agenda da presidente, o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) diz que a intensificação das viagens de Dilma a São Paulo e Minas é uma “coincidência”, e lembra que esses são os dois estados mais populosos da nação. “É natural a presidente ir a São Paulo, que condensa boa parte do PIB e da população do país”, afirma.

Segundo Vaccarezza, também não é verdade que o PT tenha lançado uma ofensiva para, além de reconquistar apoio para Dilma, minar as bases dos governos tucanos nos dois maiores estados do país.

Caravanas – O senador Aécio Neves também deve aumentar as viagens pelo Brasil – embora com bem menos frequência do que a petista. Ao contrário de Dilma, que tem obras a inaugurar e verbas federais a oferecer a prefeitos e governadores, Aécio se dedica a encontros de bastidores e reuniões com militantes. Sempre que possível, ele também concede entrevistas a veículos de imprensa regionais.

O foco do tucano, por ora, se divide entre São Paulo – onde há resistência ao seu nome dentro do PSDB – e Nordeste, onde o senador ainda é pouco conhecido.

Nos dias 13 e 14 de setembro, Aécio irá a Curitiba (PR) para um encontro com a militância tucana e seus aliados da região Sul. Nos meses seguintes, ele participará de eventos semelhantes em Maceió (AL), Manaus (AM) e Goiânia (GO), para mobilizar apoiadores no Nordeste, no Norte e no Centro-Oeste, respectivamente.

A frequência das viagens de Aécio é bem menor do que as de Dilma. Mas o presidente do PSDB mineiro, Marcus Pestana, não vê problema: “Não medimos nosso ritmo pela régua dos adversários. Nosso candidato tem luz própria”.

Continua após a publicidade
Publicidade