Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dilma anuncia ‘pacotão’ de ministros: Jaques Wagner vai para a Defesa e Cid Gomes para Educação

Por Marcela Mattos 23 dez 2014, 19h09

A nove dias da posse, a presidente Dilma Rousseff anunciou nesta terça-feira em e-mail enviado pela Secretaria de Comunicação às 19h55 uma lista dos novos ministros que vão compor o alto escalão do governo em seu segundo mandato. O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), será o novo ministro da Defesa, e o governador do Ceará, Cid Gomes (Pros), assumirá a Educação. Dado como um nome certo para ganhar um cargo na Esplanada, o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) vai para o disputado Ministério das Cidades.

Leia também:

Joaquim Barbosa critica Dilma no Twitter: ‘Que degradação institucional!’

Agora, Dilma admite adotar “medidas drásticas” na economia

Com 13 nomes, a lista divulgada nesta terça-feira contempla a cota do PMDB na Esplanada. Como esperado, a senadora Kátia Abreu (TO) irá para o Ministério da Agricultura. O Ministério de Minas e Energia, no centro da Operação Lava Jato, também sofreu mudanças – mas continuará sob o comando partido. O senador Eduardo Braga, derrotado nestas eleições ao governo do Amazonas, substituirá o ministro Edison Lobão, citado no esquema de corrupção. Horas antes do anúncio da nova equipe, Lobão confirmou que deixaria a pasta, mas ponderou que “não deve nada” e classificou o petrolão como uma “crise circunstancial”.

O deputado federal Eliseu Padilha (PMDB-RS) assumirá a Secretaria de Aviação Civil no lugar de Moreira Franco. Derrotado por Simão Jatene (PSDB) na disputa pelo governo do Pará, Helder Barbalho (PMDB), filho do senador Jader Barbalho ganhará o Ministério da Pesca.

Vinícius Lage, afilhado do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), continua no Turismo, conforme anúncio desta terça-feira. Inicialmente, havia a expectativa de Lage deixar o cargo e ceder espaço ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB-RN), citado no escândalo do petrolão. Alves, no entanto, afirmou na véspera do anúncio que queria aguardar um posicionamento do Ministério Público sobre as denúncias em torno do seu nome.

A acomodação dos aliados peemedebistas se dá um mês após Dilma anunciar a equipe econômica de seu novo governo. Com a demora na definição do loteamento do ministério, deputados e senadores da base chegaram a pressionar o governo e esvaziaram a sessão que votaria a flexibilização do superávit fiscal deste ano. No entanto, após se reunirem com Dilma, o texto foi aprovado. O PMDB, principal aliado do Planalto, porém, aumentou a fatura: pediu seis ministérios, um a mais do que a cota atual.

Dilma também acomodou na Esplanada aliados de outros partidos. Aldo Rebelo (PCdoB), hoje no Esporte, ficará com a pasta de Ciência e Tecnologia. Ele será substituído por George Hilton (PRB). Assim como Cid Gomes, que se aproximou de Dilma ao se posicionar contra o rompimento do PSB com o governo federal, Gilberto Kassab, do PSD, ficará com o Ministério das Cidades.

Aguardada por petistas, a transferência do atual ministro das Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, para o Ministério das Comunicações não foi confirmada no anúncio desta terça-feira. Sua eventual nomeação é um afago à legenda: a pasta passará a ter, no ano que vem, parte da verba de publicidade da Secretaria de Comunicação da Presidência.

O anúncio desta terça-feira também não contempla o PP, outro partido aliado citado no petrolão. A última etapa da reforma ministerial está prevista para a próxima segunda-feira. Em nota, a presidente agradeceu a dedicação dos ministros que deixam o cargo e informou que a posse da nova composição ministerial será em 1º de janeiro.

Confira a lista completa de nomeados:

Aldo Rebelo (Ciência Tecnologia e Inovação)

Continua após a publicidade

Cid Gomes (Educação)

Edinho Araújo (Secretaria de Portos)

Eduardo Braga (Minas e Energia)

Eliseu Padilha (Secretaria de Aviação Civil)

George Hilton (Esporte)

Gilberto Kassab (Cidades)

Helder Barbalho (Secretaria de Aquicultura e Pesca)

Jaques Wagner (Defesa)

Kátia Abreu (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento)

Nilma Lino Gomes (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Valdir Simão (Controladoria Geral da União)

Vinicius Lajes (Turismo)

Continua após a publicidade
Publicidade