Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Deputada Flordelis acata ordem e coloca tornozeleira eletrônica no Rio

Decisão foi baseada em suposto ataque a bomba contra testemunha-chave das investigações sobre assassinato do marido da parlamentar

Por Marina Lang Atualizado em 8 out 2020, 19h04 - Publicado em 8 out 2020, 15h43

A deputada federal Flordelis (PSD), apontada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, instalou a tornozeleira eletrônica na tarde desta quinta-feira, 8, em uma das sedes da Secretaria do Estado de Administração Penitenciária, em São Gonçalo, na região metropolitana da capital fluminense.

Ela cumpriu a determinação judicial da magistrada Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, também na região metropolitana do Rio, que ordenou a instalação do equipamento dentro de 48h na noite da última terça. A deputada federal também deverá cumprir o recolhimento domiciliar noturno entre 23h e 6h.

A decisão da juíza se baseou em um novo depoimento de uma uma testemunha-chave à Justiça. Ela teria sofrido um atentado com artefato explosivo. A intenção seria intimidar Lucas dos Santos, filho adotivo da deputada e réu no processo de homicídio do pastor por ter conseguido a arma usada no crime.

ASSINE VEJA

O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
Clique e Assine

O atentado à bomba teria ocorrido na madrugada de 4 de setembro. A testemunha, então, prestou depoimento no cartório da vara criminal, “bastante nervosa e temerosa, noticiando fatos gravíssimos”, relatou Neáris.

“A referida testemunha já havia noticiado no processo em trâmite nesta 3ª Vara Criminal, no qual Flávio e Lucas foram denunciados pelo delito de homicídio em face do pastor Anderson do Carmo, que a ré Flordelis vinha buscando interferir na busca da verdade real, inclusive intimidando o réu Lucas, seu filho afetivo”, escreveu a juíza.

Continua após a publicidade

Ela também afirmou que teme, principalmente, Flordelis e seu filho biológico, Adriano dos Santos Rodrigues, réu por ter atirado no pastor.

“A testemunha afirma acreditar que ‘a bomba foi jogada em seu quintal para intimidar a depoente’ e também para intimidar o réu Lucas, que poderia sentir-se pressionado a voltar atrás em sua versão para que a depoente não sofresse novos ataques e atentados´ diante do forte vínculo afetivo entre ambos”, diz a sentença.

Segundo a testemunha, o ataque foi uma forma de “passar um recado para Lucas, para que ele calasse a boca e não mais relatasse a verdade”.

No final de agosto, a reportagem de VEJA flagrou a deputada federal violando decisão anterior da juíza sobre interromper contato com outros investigados. O Gaeco confirmou que o descumprimento também influenciou a decisão da magistrada.

Na decisão, a juíza também acatou o pedido de transferência de Adriano dos Santos, feito pelo assistente de acusação, Angelo Máximo, advogado que representa a família do pastor assassinado, por suspeita de que ele estivesse se comunicando com Flordelis. Ele foi para a penitenciária de segurança máxima Laércio da Costa Pellegrino, conhecida como Bangu 1, no Complexo de Gericinó, na zona oeste do Rio.

Procurada, a defesa de Flordelis não se manifestou sobre a colocação da tornozeleira eletrônica.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês