Clique e assine a partir de 9,90/mês

Demóstenes se afasta da liderança do DEM

Pressionado por denúncias sobre ligação com Carlinhos Cachoeira, senador pediu para deixar função; parlamentares pedem investigação da PGR

Por Gabriel Castro - 27 mar 2012, 14h39

O senador Demóstenes Torres (GO) pediu nesta terça-feira afastamento da liderança do DEM no Senado. Na berlinda desde as revelações de seu relacionamento suspeito com Carlinhos Cachoeira, chefe da máfia que controlava os caça-níqueis em Goiás, o parlamentar não estabeleceu prazo para voltar ao posto.

O ofício encaminhado pelo senador ao presidente do partido, José Agripino Maia, é breve: “A fim de que eu possa acompanhar a evolução dos fatos noticiados nos últimos dias, comunico a Vossa Excelência o meu afastamento da liderança do Democratas no Senado Federal”.

Como mostrou VEJA, Demóstenes recebeu de Cachoeira um presente de casamento no valor de 30 000 reais. Mas esse parece ser o menor dos problemas. Gravações feitas pela Polícia Federal, também divulgadas por VEJA, revelam que o senador trocava confidências com o amigo e usava aeronaves cedidas pelo explorador de caça-níqueis.

Parlamentares da Câmara e do Senado pediram publicamente, nesta terça-feira, que a Procuradoria-Geral da República (PGR) dê uma resposta sobre o caso. Eles querem que o procurador Roberto Gurgel decida logo se vai abrir inquérito para investigar Demóstenes. Já o senador goiano tem mantido o silêncio desde que sua situação se agravou.

Continua após a publicidade
Publicidade