Clique e assine a partir de 9,90/mês

Delegado do Denarc investigado por corrupção é solto

Fábio Alcântara é investigado por ligação com o PCC; defesa alega que ele passa por 'desequilíbrio emocional' e 'tentou se ferir utilizando um cabide'

Por Da Redação - 7 ago 2013, 18h00

O Tribunal de Justiça de São Paulo revogou a ordem de prisão temporária do delegado Fábio do Amaral Alcântara, do Departamento Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Denarc). A decisão foi do desembargador Breno Guimarães, que acolheu pedido da defesa de Alcântara.

O delegado da Polícia Civil é investigado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Campinas (SP). A Justiça decretou a prisão dele e de mais doze policiais durante uma operação contra suspeitos de recebimento de propina para passar informações a traficantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) e retardar investigações. Os traficantes pagavam aos agentes “anuidades” que chegavam a 300 mil reais e “mensalidades” de até 30 mil reais. Segundo relatório do Ministério Público, o esquema movimentou 2 milhões de reais.

Apesar da revogação da ordem de prisão, o desembargador impôs restrições ao delegado – acusado de crimes de corrupção, formação de quadrilha e extorsão mediante sequestro. Alcântara não poderá faltar às convocações da Justiça e do Ministério Público, “salvo em caso de comprovada força maior”.

A defesa de Alcântara, sob responsabilidade do criminalista Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, argumentou no pedido que o delegado está em “estado de grave desequilíbrio emocional e psíquico decorrente da sua prisão temporária, tendo passado por reação aguda ao stress, ocasião em que tentou se ferir utilizando um cabide”.

Continua após a publicidade

Leia também:

Últimos três policiais foragidos se entregam à Corregedoria

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade