Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Defensor de direitos humanos não é defensor de bandido’, diz Freixo

Eleito deputado federal no último pleito, Freixo falou das novas ameaças de morte recebidas e da vereadora assassinada, Marielle Franco

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ), eleito como deputado federal pelo Estado do Rio de Janeiro para o período 2019-2022, concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira, 14, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), para falar das ameaças recebidas nesta semana e sobre a morte da vereadora Marielle Franco, também do PSOL. O deputado foi crítico em relação à forma como a segurança pública é tratada no Brasil e reclamou da falta de ação do governo fluminense, que não usou seu dossiê sobre as máfias.

“O Brasil é um dos países em que mais morrem defensores de direitos humanos e policiais do mundo. Isso é reflexo de uma segurança pública que acredita que os direitos humanos atrapalham a segurança pública. Defensor de direitos humanos não é defensor de bandido. Pelo contrário, os bandidos querem matar os defensores de direitos humanos. Isso ficou claro dessa vez. Defensores dos direitos humanos defendem a lei. E a lei não pode permitir que um grupo tão violento e criminoso domine territórios e a vida das pessoas”, reclamou o deputado, criticando as milícias.

“A sensação é muito ruim, porque na semana em que completamos dez anos da CPI das Milícias, recebemos novas ameaças. Temos dezenas de ameaças ao longo desses dez anos, mas é inadmissível imaginar que no Rio de Janeiro, em que uma vereadora foi assassinada sem que o crime tenha sido esclarecido, em pleno século XXI, você tenha um grupo criminoso controlando uma quantidade tão grande de território e capaz de ameaçar, matar e explorar uma quantidade tão grande de gente”, explicou o deputado, autor do dossiê que envolve as milícias.

“Não me arrependo do trabalho que fiz. Nunca fiz um trabalho específico contra uma ou outra milícia. Nosso trabalho foi pela defesa da lei”, explicou o deputado federal eleito, que disse não ter certeza da conexão do assassinato de Marielle Franco com as milícias. “Não conheço as provas, as investigações e os elementos. Foi um crime sofisticado, por isso não acho que tenha sido por motivo fútil, mas tudo pode acontecer enquanto a gente não souber. Cabe ao secretário de segurança pública, mais do que dizer o que ele acha ou o que ele tem certeza, dizer o porquê ele tem certeza. Mostrar quais são as provas, que levam a esse entendimento. A milícia pode ter matado a Marielle? Pode. Outro grupo criminoso pode ter matado a Marielle? Pode. A razão pode ter sido algo relacionado à grilagem de terra? Pode, apesar de ser um trabalho muito frágil do mandato de Marielle, porque não deu tempo de alcançar um resultado concreto”, completou o deputado.

“Eu não acredito que o debate de regularização fundiária tenha colocado a vida da Marielle em tamanho risco. Se foi isso, e não estou dizendo que não foi, tem que ser provado. Os elementos têm que aparecer, e não frases para supostamente a gente entender que as investigações estão avançando”, afirmou Freixo, criticando o secretário de Segurança do Rio, que deu essas declarações em entrevista ao jornal ‘O Estado de S. Paulo’.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Pablo Sanchez

    O Freixo defende os Direitos Dus Manus…e o cidadão honesto que se exploda…O Freixo não visita a família da Vitima morta pelo bandido , mas visita as famílias dos bandidos presos.

    Curtir

  2. Fernando Meireles

    A maior parte deste defensores passa impressão que defende bandidos e despreza as vitimas

    Curtir