Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Datafolha: STF é bem avaliado por 25%, e 35% reprovam atuação de ministros

Avaliação da Suprema Corte se manteve estável após uma escalada de tensão com o presidente Jair Bolsonaro

Por Da Redação 25 set 2021, 11h14

O Supremo Tribunal Federal (STF) é avaliado como ótimo ou bom por 25% dos brasileiros, segundo pesquisa Datafolha, e 35% reprovam a atuação dos ministros, considerando o trabalho da Corte como ruim ou péssimo. Outros 35% avaliam o Supremo como regular. A pesquisa mostra o resultado da última escalada de tensão entre o Judiciário e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que nas manifestações em seu apoio no 7 de Setembro disse que não respeitaria nenhuma decisão do ministro Alexandre de Moraes. Foram ouvidas 3.667 pessoas presencialmente em 190 cidades de todo o país entre os dias 13 e 15 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Na comparação com julho, quando foi feita última pesquisa, 24% aprovavam o trabalho do Supremo. Enquanto isso, 36% avaliavam a Corte como regular e 33% a consideravam ruim ou péssima. Todos os percentuais oscilaram dentro da margem de erro, o que mostra que a avaliação do STF se manteve estável. No longo prazo, no entanto, a imagem dos ministros tem sofrido desgaste. Em maio de 2020, 26% da população reprovava a atuação do Supremo – o aumento foi de nove pontos percentuais em relação à última pesquisa.

Os recortes por segmento mostram que, entre os 22% que consideram o desempenho de Bolsonaro bom ou ótimo, 56% reprovam o trabalho do Supremo. Já entre os entrevistados com ensino superior, a reprovação foi de 42%. A avaliação também é ruim entre os mais ricos – 48% entre os que ganham de 5 a 10 salários mínimos e 51% entre os que ganham mais de 10 salários mínimos. Entre os empresários, que representam 2% da amostra, a avaliação negativa foi de 59%.

Do outro lado da moeda, entre quem reprova o governo Bolsonaro, a aprovação dos trabalhos da Corte é de 32%. Entre os que preferem o PSDB, o percentual foi de 41%.

Continua após a publicidade
Publicidade