Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Cúpula da Câmara segura processo contra Cunha há 12 dias

Investigado na Operação Lava Jato, peemedebista nega influência na tramitação da representação partidária que pode lhe tirar o mandato

Por Marcela Mattos 26 out 2015, 18h36

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já ganhou pelo menos doze dias de fôlego no processo que pede a sua cassação pelo envolvimento no escândalo de corrupção da Petrobras. Desde o dia 14 de outubro, a representação contra Cunha aguarda apenas uma medida protocolar, a liberação da Secretaria-Geral da Mesa, presidida por Cunha. A cúpula da Casa, porém, deve segurar o processo até o prazo limite, quarta-feira, o que empurrará o início do processo de perda de mandato para novembro.

Cunha é alvo de um inquérito e uma denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF). Na Câmara, o deputado é acusado de quebra de decoro parlamentar por ter dito à CPI da Petrobras que não possuía contas não declaradas – o Ministério Público da Suíça, porém, enviou ao Brasil provas de que ele movimentou dinheiro em bancos do país europeu.

A demora é alvo de críticas do presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD-BA), e foi um dos argumentos citados em representação que pede à Procuradoria-Geral da República o afastamento do peemedebista da presidência da Casa. O procurador-geral, Rodrigo Janot, ainda não se manifestou sobre o pedido.

Cunha, no entanto, nega atuação para intervir no processo. “[A liberação] é o secretário-geral que faz automaticamente dentro dos prazos de todos os processos. Isso sequer chegou às minhas mãos. Eu nem quero que chegue e nem poderia chegar”, afirmou o presidente da Câmara nesta segunda-feira. “Eu não vou praticar ato que seja referente a mim mesmo. Não há hipótese disso acontecer.”

Leia também:

Prefeitura do Rio emprega filha de acusado de receber propinas para Cunha

Planalto tenta segurar ímpeto do PT contra Cunha

Uma possível influência de Cunha, por outro lado, já foi relatada pelo próprio procurador-geral da República. Na iminência da apresentação da denúncia contra o peemedebista por corrupção e lavagem de dinheiro, em agosto, Janot afirmou que o presidente usa a Câmara em benefício próprio, referindo-se à ação favorável ao peemedebista apresentada pela Advocacia-Geral da União (AGU). Janot já disse ainda que Cunha tenta usar a Câmara como escudo para atacar o Ministério Público Federal.

A representação contra Cunha foi protocolada no dia 13 de outubro e encaminhada à Secretaria da Câmara no dia seguinte. O órgão tem até três sessões ordinárias para liberar a ação ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Esse tipo de sessão não aconteceu na última quinta-feira, o que postergou o prazo para essa semana. Está prevista para essa terça-feira uma nova sessão ordinária. Após receber a representação, o colegiado vai dar início ao processo de cassação.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)