Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cunha vai apresentar projeto para elevar correção do FGTS

Proposta, que será anunciada pelo presidente da Câmara no Dia do Trabalho, vai na contramão do ajuste fiscal e pode causar constrangimento ao governo caso seja aprovada

Por Da Redação
1 Maio 2015, 02h20

Na contramão do ajuste fiscal defendido pelo governo da presidente Dilma Rousseff, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), vai anunciar nesta sexta-feira, no feriado do Dia do Trabalho, prioridade para um projeto que vai corrigir os depósitos do FGTS dos trabalhadores no mesmo índice da poupança. Cunha afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que a proposta irá tramitar em regime de urgência a partir da próxima semana.

O projeto vai dobrar os juros acima da taxa referencial que corrige o FGTS. Atualmente, a regra de capitalização é de 3% ao ano, mais TR. A proposta que será discutida na Câmara prevê 6,17% ao ano, capitalizado mensalmente, mais TR, mesmo índice de correção da caderneta de poupança.

LEIA TAMBÉM:

Renan sobe o tom: Dilma não falar no 1º de Maio é ‘ridículo’

Temer x Renan: ‘Não uso cargo para atacar’, rebate vice-presidente

Continua após a publicidade

O texto terá como autores os líderes do PMDB, DEM e o deputado Paulinho da Força, do SDD, e será protocolado na próxima terça-feira. Os parlamentares irão assinar a autoria do projeto para configurar que o texto tem o apoio das bancadas. O projeto definirá que a correção valerá a partir da aprovação do texto pela Câmara e pelo Senado, não atingindo os valores já depositados. Ou seja, não irá retroagir ao saldo existente.

O anúncio da decisão de priorizar a discussão da proposta será feito por Cunha durante evento da Força Sindical em São Paulo para comemorar o Dia do Trabalho. Cunha tem sido criticado por seu apoio ao projeto de terceirização, aprovado pela Câmara. Por causa disso, ele tem sido vaiado em alguns eventos. A Força Sindical, contudo, apoia a terceirização.

A discussão sobre a correção do FGTS dos trabalhadores é antiga. Vários projetos já tramitam na Câmara sobre o tema, mas a prioridade será para o texto a ser apresentado na próxima semana. A aprovação pode causar um constrangimento para o governo, que em tempos de ajuste fiscal pode se ver obrigado a vetar o projeto.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.