Clique e assine a partir de 9,90/mês

Cunha: PMDB ‘não tem interesse’ em indicar novo ministro

Pasta da Educação ficou vaga depois da demissão de Cid Gomes, que discutiu com o presidente da Câmara e com outros deputados no plenário

Por Da Redação - 19 mar 2015, 05h49

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, afirmou nesta quarta-feira que seu partido, o PMDB, “não tem nenhum interesse” em indicar o substituto de Cid Gomes (Pros) no ministério da Educação. Cid foi demitido depois de discutir com deputados no plenário da Câmara. O agora ex-ministro havia sido convocado para explicar sua declaração de que haveria entre os deputados “300 ou 400 achacadores”. Cid repetiu a afirmação e provocou a ira dos parlamentares.

Leia também:

Cid Gomes é demitido após agravar crise com o Congresso

Radar: ‘Não esperava que ele fosse fazer isso’, diz Dilma

“Não é da nossa alçada, não é da nossa conta. A presidente escolhe quem entender que é melhor para ocupar o cargo”, afirmou o presidente da Câmara. Questionado sobre quem seria o próximo ministro da pasta, Cunha brincou: “O próximo a cair ou a ser nomeado?”. Na reunião desta quarta, Cid acusou Cunha de estar entre os achacadores, bateu boca com o deputado Sérgio Zveiter (PSD-RJ) – que o chamou de “palhaço” – e deixou o prédio do Legislativo. Instantes depois o Palácio do Planalto comunicou a saída do ex-governador do Ceará.

De acordo com Cunha, Cid se mostrou “desqualificado” para o cargo e o governo “agiu bem” ao demiti-lo. “No momento em que um representante do Executivo vem para cá para agredir o Poder Legislativo, não poderia ter outro destino”, disse o peemedebista. Outro desfecho levaria a uma consequência “desastrosa”, completou Cunha. “Seria a perda da harmonia entre os Poderes.”

A cadeira do chefe da pasta responsável pela “Pátria Educadora”, bordão que a presidente Dilma Rousseff tentou emplacar, é a primeira a ficar vaga em menos de cem dias de mandato. Oficialmente, Cid Gomes disse ter entregado o cargo imediatamente após abandonar uma sessão da Câmara. Porém, sua saída foi uma reação imediata à ameaça do feita pela bancada do PMDB de não votar mais projetos enviados pelo governo caso Gomes permanecesse no cargo.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade