Clique e assine a partir de 9,90/mês

Crivella está atrás de Paes e Freixo para 2020 no Rio, diz Datafolha

Atual prefeito do Rio tem a gestão considerada ruim ou péssima por 72% dos entrevistados pelo instituto

Por Da Redação - 15 dez 2019, 09h34

O ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), e o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) estão na frente nas intenções de voto para a eleição municipal na capital fluminense para o ano que vem. É o que aponta pesquisa Datafolha divulgada neste domingo, 15.

Os dois aparecem tecnicamente empatados, com Paes numericamente acima. Enquanto o político do DEM apareceu com 22%, o parlamentar do PSOL tem 18% das 872 pessoas entrevistadas entre quarta, 11, e sexta, 13. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

O atual prefeito, Marcelo Crivella (Republicanos), aparece com 9%. A pesquisa também mediu a avaliação da gestão de Crivella na Prefeitura do Rio de Janeiro, e aponta um aumento na reprovação da gestão: 72% dos entrevistados avaliam a administração como ruim ou péssima, enquanto 20% consideram regular, e 8% afirmaram que Crivella faz um trabalho ótimo ou bom.

Na comparação com pesquisa realizada em outubro de 2017, a reprovação de Crivella cresceu 32 em pouco mais de dois anos.

Continua após a publicidade

Problemas da cidade

A pesquisa também mediu o que a população do Rio de Janeiro considera como o maior problema da cidade. Saúde foi citada por 68% dos entrevistados, enquanto a segurança foi apontada como o maior problema por 12%.

Avaliação de Bolsonaro e Witzel

O governo do presidente Jair Bolsonaro também foi avaliado na pesquisa. Na cidade do Rio de Janeiro, 41% dos entrevistados consideram a administração ruim ou péssima. A gestão Bolsonaro é aprovada por 29%. Outros 29% falaram que o atual governo federal é regular.

Já o governador Wilson Witzel é reprovado por quatro em cada dez pessoas na capital fluminense. Sua administração é tida como ruim ou péssima por 40% das pessoas. Outros 40% afirmaram que a gestão é regular e apenas 18% consideram o governo Witzel bom ou ótimo.

Publicidade