Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Crítico de acordo com a Braskem, ministro recebeu indenização…da Braskem

Em maio, Renan Filho, dos Transportes, recebeu 544 mil reais e entregou imóvel em Maceió que ficava em área atingida pelo afundamento

Por Hugo Marques Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 5 dez 2023, 19h01 - Publicado em 5 dez 2023, 15h17

Crítico do acordo fechado entre a prefeitura de Maceió e a empresa Braskem, responsável pela extração de sal-gema que colocou trechos da capital sob risco de colapso, o ministro dos Transportes e ex-governador de Alagoas Renan Filho é um dos beneficiários das indenizações pagas pela própria petroquímica. Uma empresa do político e de sua esposa recebeu 544.000 reais por ter um pequeno imóvel no bairro Pinheiro, uma das regiões evacuadas por causa do afundamento. Há outros 16.999 imóveis na área do desastre.

Adversário político do prefeito João Henrique Caldas, conhecido como JHC, Renan condena o acordo fechado pela Braskem com o Executivo municipal e que prevê, entre outras coisas, “quitação plena”, “irrevogável” e “irretratável” de futuras obrigações relacionadas à extração de sal-gema. Em paralelo, a companhia também pagou pelo menos 17.800 indenizações a pessoas físicas afetadas pelo desastre geológico.

Quais são as críticas ao acordo com a Braskem?

Para o ministro, a empresa e o poder público não poderiam ter fechado um acordo desde já porque “não tem sentido fazer um acordo pecuniário enquanto todas as pessoas da região não forem indenizadas”. Segundo ele, a negociação entre prefeitura e Braskem poderia, por exemplo, aguardar as investigações da comissão parlamentar de inquérito (CPI), que dificilmente iniciará os trabalhos neste ano e da qual seu pai, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), é um dos maiores defensores. “Ainda tem comerciante que tinha posto de gasolina, supermercados, lojas, tudo isso fechou. As pessoas não foram devidamente indenizadas”, afirmou.

Renan Filho recebeu 544 mil da Braskem por imóvel em área atingida pela mineração

Continua após a publicidade

Ele não vê contradição no fato de ter recebido a indenização após o imóvel de sua empresa ter sido transferido para a Braskem. “Eu fui obrigado a sair, eu fui o último a sair da área, no final de 2022. Eu não tive interesse em sair no início, eu só saí obrigado da área. Quem mandou as pessoas saírem foi a defesa civil municipal. Eu sou a vítima”, disse a VEJA.

Nesta terça, o governador alagoano Paulo Dantas, aliado de Renan Filho, se reuniu com o presidente em exercício Geraldo Alckmin e pediu que a Advocacia-Geral da União (AGU) atue na coordenação dos pagamentos devidos por causa do desastre ambiental. Medição da Defesa Civil de Maceió aponta que a região explorada pela Braskem hoje afunda 0,27 cm por hora.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.