Clique e assine a partir de 8,90/mês

Congresso promulga Orçamento Impositivo

Lei determina execução de regras que tornam obrigatória liberação de emendas parlamentares - historicamente usadas como chantagem pelo Executivo

Por Laryssa Borges - 17 mar 2015, 15h16

O plenário do Congresso promulgou nesta terça-feira a emenda constitucional que institui o chamado Orçamento Impositivo. Agora está, portanto, declarada oficialmente a existência da nova lei, e determinada execução das regras que tornam obrigatória a liberação de emendas parlamentares, dinheiro que deputados e senadores recebem para investir em obras em seus Estados.

Leia também:

Afastado até dia 21, Cid Gomes deve adiar (de novo) depoimento à Câmara

Na mira da Lava Jato, PT ensaia entregar cabeça de Vaccari

Jorge Zelada, ex-diretor da Petrobras, escondeu dinheiro em Mônaco

Em janeiro, sob a chancela do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o plenário da Câmara dos Deputados concluiu a votação da proposta de emenda à Constituição (PEC) que torna obrigatória a aplicação de 1,2% das Receitas Correntes Líquidas de cada ano em emendas parlamentares – o que, em 2014, equivaleria a cerca de 12 milhões de reais. Em tramitação desde novembro de 2013, o governo inicialmente apresentou resistência ao projeto, mas conseguiu amenizar dano fiscal relevante ao negociar que 50% do valor das emendas fossem vinculados à saúde pública – o que inclui o custeio do Sistema Único de Saúde (SUS), mas não serve para pagamento de pessoal ou de encargos sociais.

Historicamente o governo utiliza a liberação das emendas parlamentares para chantagear os parlamentares em votações importantes. Em uma via de mão dupla, deputados e senadores também paralisam a apreciação de projetos se não receberem garantias da liberação dos recursos. O Orçamento Impositivo diminui o “toma lá dá cá” do Congresso, mas abre espaço para que o clientelismo seja potencializado nos currais eleitorais dos parlamentares. Com a garantia de que os recursos sairão dos cofres públicos, fica mais fácil negociar – ou mesmo chantagear – o gestor municipal sobre a contrapartida para a liberação dos recursos milionários.

Continua após a publicidade
Publicidade