Clique e assine a partir de 9,90/mês

‘Congresso não deixa Executivo governar’, diz presidente do Clube Militar

Associação divulgou comunicado que critica o 'parlamentarismo branco' e presta 'solidariedade' às manifestações convocadas em apoio ao governo Bolsonaro

Por André Siqueira - Atualizado em 10 mar 2020, 10h56 - Publicado em 10 mar 2020, 10h52

Presidente do Clube Militar, o general da reserva Eduardo José Barbosa criticou, nesta terça-feira, 10, o que chama de “parlamentarismo branco” e afirmou que o Congresso está tentando desempenhar uma função atribuída ao Executivo. Na segunda-feira 9, a associação divulgou um comunicado de “solidariedade” aos atos convocados para o dia 15 de março em apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

A VEJA Barbosa disse que o texto, de quatro parágrafos, não é uma convocação às manifestações. “Significa que estaremos acompanhando, e o teor do texto reforça nossa preocupação em relação à governabilidade do país”, afirma.

A nota afirma que Bolsonaro “busca incrementar medidas saneadoras na nossa economia, bem como resgatar os valores nacionais, ultimamente, vilipendiados”. “Não podemos permitir que se estabeleça um indevido ‘parlamentarismo branco’ se nosso sistema de governo é presidencialista”, acrescenta o comunicado.

“O Executivo não consegue governar porque o Congresso não deixa. Quando chamamos de ‘parlamentarismo branco’, é porque o Congresso quer fazer o papel do Executivo. Por exemplo, o Congresso aprova um Orçamento e tem que acompanhar a execução feita pelo Executivo”, disse o general a VEJA.

Continua após a publicidade

De acordo com o texto, no Rio de Janeiro, o Clube Militar se reunirá, “como de costume”, na Avenida Atlântica, em Copacabana, a partir das 10h, “para nos juntar a esse movimento patriótico que ocorrerá país afora”.

Comunicado do Clube Militar
Comunicado do Clube Militar ./Reprodução
Publicidade