Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com acordo, Marcelo Odebrecht deve ficar preso até fim de 2017

A defesa do empreiteiro conseguiu a redução da pena alegando que, diante do conteúdo apresentado pelo empresário em delação, a condenação era muito rígida

Os advogados da empreiteira Odebrecht e o Ministério Público Federal (MPF) fecharam um acordo para que o empreiteiro Marcelo Odebrecht, permaneça preso em regime fechado até dezembro de 2017, segundo a edição do jornal Folha de S. Paulo desta quarta-feira.

Na negociação de delação premiada, os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato e os representantes do empreiteiro acertaram que a pena total será de dez anos, sendo dois anos e meio em regime fechado. Marcelo está preso desde junho do ano passado na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, sob suspeita de envolvimento no esquema de desvios da Petrobras. Esse período de um ano e quatro meses será descontado da pena total, de acordo com pessoas ligadas às negociações.

O empresário entraria em progressão de regime no final de dezembro de 2017 – cumprindo pena no regime semiaberto, aberto e domiciliar. Em março, o juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, condenou Odebrecht a 19 anos e quatro meses de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

LEIA TAMBÉM:
Marcelo Odebrecht e mais 50 executivos fecham acordo de delação
Marcelo Odebrecht: propina financiou reeleição de Dilma
Lava Jato: a delação do fim do mundo

A defesa do empreiteiro conseguiu a redução da pena alegando que, diante do conteúdo apresentado pelo empresário em delação premiada, a condenação se mostrava muito rígida. A delação de Marcelo Odebrecht, conforme revelou VEJA, envolve os ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva, o atual, Michel Temer, os tucanos, José Serra, Aécio Neves e Geraldo Alckmin, além de peemedebistas fortemente ligados a Temer, como o senador Romero Jucá e o ministro Geddel Vieira Lima, e os dois principais nomes do PMDB no Rio de Janeiro: o prefeito Eduardo Paes e o ex-governador Sérgio Cabral.

A expectativa é que o acordo de delação seja assinado até o fim deste mês – mais de 50 executivos e funcionários da empresa negociam com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e com a força-tarefa da Lava Jato. A Odebrecht informou que não vai se pronunciar sobre a data em que Marcelo Odebrecht deixará o regime fechado.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. PALHAÇADA. O FDP ROUBA, CORROMPE, FAZ TUDO QUE NÃO PRESTA. ENTREGA OS OUTROS VAGABUNDOS, SEUS COMPARSAS, DEVOLVE ALGUNS TROCADOS DO ROUBO E APÓS VAI PARA SUA CASA GOZAR A APOSENTADORIA. PORQUE NÃO FAZEM O MESMO COM OS POBRES COITADOS BANDIDOS E CRIMINOSOS, CLARO, QUE ESTÃO NAS CADEIAS SUPERLOTADAS E SEM QUALQUER TRATAMENTO DIGNO?. DEVERIAM COLOCAR CADA BANDIDO DESSE QUE CHAMAM DE EMPRESÁRIOS, E TIRAR UMA FÉRIAS DE SESSENTA DIAS NUMA PRISÃO COMUM. A ÁGUA CORRE PARA O MAR. PODERIAM TAMBÉM, DEIXA-LOS VIVENDO SOMENTE COMO UMA PENSÃO DO INSS.
    PAIZINHO SEM VERGONHA.

    Curtir

  2. Cadeia para se FDP!!!

    Curtir

  3. Tem mais cara de bandido do que de empresário. Basta compara-lo com as fotos do Marcola.

    Curtir