Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Coach arrecada R$ 1 milhão para financiar a própria campanha ao Planalto

Pablo Marçal realizou evento em estádio lotado de SP para se lançar candidato à Presidência da República

Por Ricardo Chapola
Atualizado em 3 Maio 2022, 19h54 - Publicado em 3 Maio 2022, 18h39

André Janones tem um novo concorrente entre os presidenciáveis que, gestados na popularidade na internet, acreditam que vale a pena – e a fama – de se lançar candidato à Presidência da República. O coach Pablo Marçal, cujo maior feito público foi ter se perdido, com 67 alunos, no alto do Pico dos Marins, em Piquete (SP) em janeiro, filiou-se ao PROS, pleiteou aos caciques da legenda o direito de disputar a preferência do eleitor da congestionada terceira via contra João Dória (PSDB), Simone Tebet (MDB) e Sergio Moro (União) e no domingo, 1º, forneceu a primeira amostra do que seria sua campanha ao Palácio do Planalto.

Marçal arrecadou mais de 1 milhão de reais com o evento no qual anunciou ter interesse em disputar a Presidência nas eleições de 2022. Ele cobrou ingressos de cerca de 20 mil pessoas que se dispuseram a desembolsar 50 reais para ouvi-lo, com ares de culto religioso, cantar louvores e discursar sobre os malefícios da classe política. “Nesse país, os traíras, os ladrões e os corruptos voltam a governar, mas aqueles que querem dar a própria vida pela nação são aniquilados”, afirmou. As arquibancadas da Arena Barueri, na região metropolitana de São Paulo, lotaram.

Aos potenciais eleitores mais interessados havia à disposição o que chamou de “Pablo Store”, loja autorreferencial em que vendia canetas, camisetas e livros sobre si mesmo. Com mais de 2 milhões de seguidores apenas em uma rede social, Marçal se apresenta como investidor, empresário, escritor, coach, promoter, palestrante e ex-atendente de call center. No momento, diz, “está político”. As preferências ideológicas? Enéas Carneiro, folclórico político brasileiro, morto em 2007, que repetidamente é retratado como ícone da extrema-direita na história recente do país.

Na primeira eleição que disputou, em 1989, Enéas ficou apenas no sétimo lugar, mas popularizou o bordão “Meu nome é Enéas” ao encerrar a brevíssima participação de 15 segundos a que tinha direito no programa eleitoral. Até o PROS vê a candidatura de Pablo Marçal como um clássico golpe de autopromoção, mas se ele chegar lá será tão breve quanto o ídolo político: terá 17 segundos de TV.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.