Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ciro ironiza carta de FHC por união: ‘mais fácil boi voar de costas’

Pedetista declarou em Brasília que o ex-presidente, que pediu composição de candidatos contra extremismo, está 'preparando voto em Fernando Haddad'

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 21 set 2018, 21h34 - Publicado em 21 set 2018, 20h54

Candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, ironizou nesta sexta-feira, 21, o apelo feito pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) em uma carta que pede a união do centro político nas eleições de 2018.

“É muito mais fácil um boi voar de costas. O FHC não percebe que ele já passou. A minha sugestão para ele, que ele merece, é que troque aquele pijama de bolinhas que está meio estranho por um pijama de estrelinhas. Porque, na verdade, ele está preparando o voto no Fernando Haddad, porque ele não tem respeito a nada e a ninguém, a não ser ao seu próprio ego”, afirmou Ciro em um ato de campanha no Núcleo Bandeirante, região administrativa de Brasília.

A carta do ex-presidente tucano pregou a união de candidatos que “não apostam em soluções extremas”, diante da polarização entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, está estagnado nas pesquisas de intenção de voto e não tem conseguido deslanchar para poder brigar por um lugar no segundo turno.

Nesta madrugada, após o debate na TV Aparecida, Ciro já havia atacado FHC ao dizer que ele é “um dos responsáveis pela situação que nós vivemos”.

Na agenda em Brasília, Ciro também criticou Jair Bolsonaro ao afirmar que “só uma pessoa muito inocente, doida para ser enganada, acredita que o Bolsonaro vai dar quinze dias de atenção ao Paulo Guedes”, em referência ao economista da campanha do adversário.

Guedes e Bolsonaro divergiram nesta semana depois de o economista propor a volta da CPMF, imposto sobre transações bancárias, e ser, logo em seguida, desautorizado pelo presidenciável.

“O governo Bolsonaro não acontecerá porque eu vou pedir a Deus que ilumine a minha palavra para proteger o Brasil desse salto no escuro”, disse.

Continua após a publicidade
Publicidade