Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Chico Buarque protesta contra Bolsonaro e provoca aglomeração no Rio

Eleitor do PT, artista foi cercado e abraçado por fãs na Avenida Presidente Vargas, onde se concentrou manifestação contra presidente da República

Por Cássio Bruno
Atualizado em 19 jun 2021, 15h10 - Publicado em 19 jun 2021, 14h45

Aniversariante deste sábado, 19, o cantor, músico e compositor Chico Buarque, de 77 anos, participou nesta manhã, no Rio de Janeiro, da manifestação a favor da vacina e contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Eleitor histórico do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Chico usava máscara e, mesmo assim, foi reconhecido, cercado por fãs, provocando aglomeração. Ele percorreu parte da Avenida Presidente Vargas, no Centro, e parou para fazer fotos com os manifestantes em meio ao protesto. Em outubro de 2022, a expectativa é de que Bolsonaro e Lula sejam adversários nas urnas.

Muita gente gritou “feliz aniversário”  e “parabéns” para Chico Buarque. Várias pessoas abraçaram o artista. Algumas delas sem máscara ou com o acessório de proteção abaixo do nariz, contrariando as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Avesso a aparições públicas, Chico tomou a segunda dose da vacina contra a Covid-19 em abril deste ano. Ele recebeu a primeira em março. À época, Chico compartilhou o momento na rede social e escreveu: “Vacinem-se. Viva o SUS”.

Em 2016, Chico Buarque também esteve em um protesto contra o ex-presidente Michel Temer (MDB), no Canecão, extinta casa de shows no bairro de Botafogo, na Zona Sul da capital fluminense. No evento, ele cantou a música “Apesar de Você”, lançada no período da Ditadura Militar, na década de 1970. A manifestação se deu em meio ao processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), a quem o cantor apoiava.

Continua após a publicidade

Chico participou ainda de atos do “Lula Livre” quando o ex-presidente havia sido preso pela Operação Lava Jato e na campanha do petista Fernando Haddad à Presidência da República, em 2018. Em um dos comícios de Haddad, nos Arcos da Lapa, no Rio, o artista subiu no palanque ao lado de Caetano Veloso e do rapper Mano Brown. A noite ficou marcada depois que Brown criticou o PT. Segundo ele, no discurso, a eleição naquele ano já estava decidida e que se o PT “não conseguiu falar a língua do povo, tem que perder mesmo”. Diante do candidato do PT, Brown reclamou da falha de comunicação da campanha. Ele recebeu o apoio de Chico e Caetano.

Os protestos deste sábado foram organizados por partidos de oposição do governo Bolsonaro, centrais sindicais e movimentos sociais. Há registros de manifestações em pelo menos nove capitais durante a manhã e início da tarde, como Brasília, Rio de Janeiro, Recife, Belém, Maceió, João Pessoa, Teresina, São Luís, Cuiabá e Belo Horizonte. Moradores de outras capitais como São Paulo, Salvador, Fortaleza, Natal e Porto Alegre também prometem ir às ruas contra Bolsonaro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.