Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

CGU denuncia programa de Haddad no MEC

Dos 56.500 equipamentos doados à escolas públicas para criação de laboratórios de informática, 12.600 estavam guardados em caixas por três anos

Por Da Redação 21 fev 2013, 09h45

O Ministério da Educação (MEC) desperdiçou recursos e negligenciou sua principal ação para inclusão digital durante a gestão de Fernando Haddad, revela auditoria da Controladoria Geral da União (CGU). Por meio do Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo), o governo se comprometeu a dotar as escolas públicas de laboratórios de informática, mas os auditores constataram que 12.600 dos 56.500 equipamentos entregues estavam guardados em caixas há três anos.

“Observa-se que, apesar das escolas, no momento do cadastro para o recebimento de laboratórios, declararem a existência de infraestrutura adequada para instalação dos equipamentos, a falta de tal requisito motivou 66,07% das ocorrências de laboratórios entregues e não instalados, o que demonstra fragilidade nos controles da gestão por parte dos estados e municípios que receberem o laboratório do Proinfo”, diz o relatório da CGU. A ação de fiscalização do MEC teria evitado um prejuízo de mais de um milhão de reais referente ao custo dos aparelhos inutilizados.

Leia também: O ministro Haddad foi regular. O candidato é reprovável

Em 15.300 laboratórios, os professores não tinham capacitação para operar as máquinas nem para ensinar a usá-las; em 18.000 não havia treinamento em informática ou os espaços serviam para atividades distintas. “Apesar dos avanços proporcionados pelo Proinfo na inclusão digital, (…) o uso pedagógico da informática nas escolas públicas de educação básica não foi plenamente atingido”, diz a CGU, que responsabilizou o MEC por não fiscalizar e acompanhar a execução do programa.

Por meio de nota, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) ressaltou que a CGU só visitou 196 escolas e que os números são resultado de uma projeção. O Fundo, vinculado ao MEC, questiona a veracidade dos números do órgão. A assessoria de Haddad informou que só se manifestará após tomar conhecimento oficial da auditoria.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês