Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cerca de 60% dos postos de SP repõem estoque

Com medo de não encontrar gasolina, motoristas enchem o tanque

Cerca de 60% dos postos da Grande São Paulo já estão com os estoques normalizados para o fim de semana. Os postos restantes já têm etanol ou gasolina em níveis suficientes para atender os consumidores. Com isso, começa a chegar ao fim o efeito da greve de caminhoneiros autônomos, que protestavam contra a nova restrição ao trânsito de veículos de carga na Marginal do Tietê e outras pistas da capital.

De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro), a demanda dos motoristas continua alta. A forte procura por combustíveis dificultou a manutenção dos estoques durante o dia, diz a entidade. “Aquela escassez de combustíveis já acabou, mas teve muita gente que ainda encheu o tanque, com medo de não encontrar gasolina”, disse na sexta-feira o presidente da sindicato, José Alberto Paiva Gouveia.

A distribuição do combustível está respeitando os horários da restrição na Marginal do Tietê e nas outras 25 vias do minianel viário da capital paulista – o tráfego de caminhões está proibido de segunda a sexta-feira, das 5h às 9h e das 17h às 22h, e aos sábados, das 10h às 14h.

Para a normalizar os estoques, os centros de distribuição da Região Metropolitana aumentaram o volume de combustível despachado. Só a Raízen – distribuidora para Shell, Esso e alguns postos independentes – despachou anteontem 11,8 milhões de litros de gasolina e etanol. O balanço divulgado ontem, que considerou apenas o horário das 2h às 14h, indicou o despacho de 8 milhões de litros.

A Grande São Paulo consome cerca de 40 milhões de litros de combustível por dia, dos quais 22 milhões vão para os postos. O restante é usado por empresas de transporte e indústrias.

Leia também:

Abastecimento em SP só voltará ao normal na terça-feira

Petrobras: reabastecimento em SP será gradual

Prefeitura nega trégua na restrição a caminhões

Nove gerentes são detidos por aumento abusivo de preços

(Com Agência Estado)