Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Caso Pedro Paulo: bateu, sim. E não foi a primeira vez…

Ao admitir que havia agredido sua ex-mulher, braço-direito de Paes tratou o episódio como 'descontrole' único em sua vida. Em 2008, no entanto, ela já havia registrado queixa após ser agredida com socos no rosto na frente da filha do casal, de apenas 2 anos

Por Leslie Leitão e Thiago Prado, do Rio de Janeiro 12 nov 2015, 08h04

“É importante dizer que foi um episódio único na minha vida. Jamais tive qualquer atitude dessa com minha mulher, meus filhos. Não tenho uma atitude de violência antes e depois desse episódio”. Foi com esse discurso que o secretário executivo do município do Rio de Janeiro, Pedro Paulo de Carvalho, enfim admitiu ter agredido a ex-mulher Alexandra Marcondes Teixeira, em fevereiro de 2010, como revelou o site de VEJA no mês passado. O problema é que sua confissão – tornada pública apenas depois que Alexandra confirmou as agressões ao Ministério Público – tem mais inconsistências. O momento de ‘descontrole’ não foi o único, nem o primeiro, como revela o boletim de ocorrência número 6304/2008, registrado na 43ª DP (Cidade Ademar), na Zona Sul de São Paulo.

Depois da noite de Natal de 2008, por volta de 1h30 do dia 26 de dezembro, a família havia acabado de chegar na residência de Alexandra, no bairro Jardim Prudência. Segundo o depoimento a que VEJA teve acesso, as agressões ocorreram ainda dentro do carro: “..estava na companhia do marido e da filha em seu veículo, momento em que começaram a discutir. O seu marido Pedro passou a chamá-la de ‘vagabunda’, ‘piranha, ‘FDP’, culminando em agredi-la fisicamente, desferindo socos em seu corpo e rosto”, contou Alexandra ao delegado Milton Toschi Júnior, que estava no plantão daquela madrugada.

Rasgadinho - B.O. mulher de Pedro Paulo
Rasgadinho – B.O. mulher de Pedro Paulo VEJA

Leia também:

Paes sai em defesa de Pedro Paulo em caso de agressão à ex-mulher: ‘Tema superado’

Os dois já eram casados havia sete anos e, na tentativa de preservar o casamento, Alexandra acabou deixando o caso de lado. Apesar de a Lei Maria da Penha ter entrado em vigor dois anos antes, ela só se tornou uma ‘ação incondicionada’ (quando o Ministério Público pode dar prosseguimento independentemente da vontade da vítima) após uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em 2012. E, como acontece na maioria dos episódios de violência doméstica, as agressões se repetiram dois anos depois.

Continua após a publicidade
Rasgadinho - B.O. mulher de Pedro Paulo 2
Rasgadinho – B.O. mulher de Pedro Paulo 2 VEJA

Em 6 de fevereiro de 2010, Alexandra decidiu voltar de surpresa para o apartamento em que viviam, em frente à praia da Barra da Tijuca, para comemorar o nono ano de matrimônio. Acabou, contudo, tendo uma surpresa nada agradável. A marca de batom na taça de vinho, os fios de cabelo na cama e no ralo do banheiro e o sutiã jogado debaixo da mesa da cozinha foram as primeiras pistas. Através das câmeras de circuito interno do condomínio, ela teve certeza de que o marido havia levado para dentro do seu apartamento uma misteriosa companhia na noite anterior.

Naquela mesma manhã, Pedro Paulo havia viajado para Brasília para acompanhar o prefeito Eduardo Paes em uma agenda oficial. Quando voltou para casa, ouviu de Alexandra o pedido de separação. E ficou transtornado. Empurrou-a no chão, desferiu chutes nas suas pernas e, em seguida, deu socos no rosto que acabaram deixando hematomas e quebrando um de seus dentes, como comprova o laudo do exame de corpo delito obtido por VEJA. Na delegacia, ela confirmou em depoimento que havia sido agredida outras vezes anteriormente.

O inquérito permaneceu parado na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de Jacarepaguá, na Zona Oeste, por cinco anos e oito meses. Apenas depois de VEJA ter trazido à tona o episódio, o caso foi encaminhado para o Ministério Público. Apesar das pressões políticas pedindo o arquivamento, o procurador geral do Estado, Marfan Martins Vieira, encaminhou o caso para o procurador geral da República, Rodrigo Janot, em Brasília, já que o acusado, como deputado federal, tem foro privilegiado.

A revelação do escândalo movimentou os bastidores da política fluminense. O PMDB já tinha definido que o nome do fiel escudeiro de Paes seria o escolhido para disputar a eleição do ano que vem. Agora, várias alas defendem a mudança de nome. O atual prefeito bateu o pé. Tratou a agressão à mulher como uma “questão da vida privada” que já havia sido superada.

Em entrevista à Folha de São Paulo, Pedro Paulo tentou reinterpretar a Lei Maria da Penha, alegando não ser um contumaz agressor de mulheres. “Eu cometi um erro. Eu traí minha mulher. Vocë imagina a dificuldade e o calor dessa discussão. Associar isso a um ato de violência doméstica, de um comportamento violento, isso em hipótese alguma eu vou admitir. Porque isso não é minha atitude, eu não tenho qualquer comportamento parecido com o que prevê a Lei Maria da Penha”. Pois, além da lei não falar em periodicidade de agressões, agora sabe-se que o quase-candidato não agrediu a mulher apenas uma vez.

A história que vem se alastrando pelas redes sociais – uma petição eletrônica pedindo que Pedro Paulo seja afastado imediatamente do cargo de secretário já tem mais de 10 mil assinaturas – vai, aos poucos, ganhando as ruas. Hoje, a partir das 17h, na Cinelândia, milhares de mulheres prometem fazer uma grande manifestação contra o futuro candidato e contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

Continua após a publicidade
Publicidade