Clique e assine a partir de 9,90/mês

Caso Adrielly: médico faltava aos plantões há cinco anos

Segundo delegada, Adão Crespo fez acordo com colega, que assinava cartões de ponto por ele no hospital. No Natal, menina esperou 8 horas por uma cirurgia

Por Da Redação - 11 jan 2013, 20h09

Ao contrário do que disse à polícia, o neurocirurgião Adão Crespo faltava aos plantões no Hospital Salgado Filho, Zona Norte do Rio, há pelo menos cinco anos, confirmou nesta sexta-feira a Delegacia Fazendária (Delfaz), que investiga o caso. Em depoimento, o médico admitiu a ausência mas disse que não cumpria a escala havia somente um mês, por discordar das políticas da unidade de saúde.

A ausência de Crespo no plantão da noite de Natal obrigou a menina Adrielly Vieira, de 10 anos, a esperar oito horas para ser submetida a uma cirurgia. Ela havia sido atingida por uma bala perdida na cabeça na noite de Natal, enquanto brincava em casa. Três dias depois de ser internada, Adrielly foi transferida ao Hospital Souza Aguiar, no Centro, onde morreu no último dia 4.

Crespo será indiciado por omissão de socorro, e também estelionato e falsidade ideológica. Na quinta-feira, a delegada Izabela Rodrigues Santoni verificou as folhas de ponto do hospital e constatou que o neurocirurgião assinou os registros do mês de novembro, apesar de não ter comparecido ao trabalho nenhum dia.

De acordo com a delegada, o neurocirurgião tinha a ajuda de um colega, que não teve o nome divulgado. “Há pelo menos cinco anos, outro médico do próprio hospital usava a matrícula do Adão e tirava os plantões por ele. Era esse médico que efetivamente trabalhava. Isso era um acordo entre eles”, afirmou Izabela, dizendo que este homem também será chamado para depor.

Leia mais:

Médico que faltou a plantão será indiciado por estelionato

Médico que atenderia Adrielly faltava aos plantões há 1 mês

Pai de menina atingida por bala perdida quer processar prefeitura

Continua após a publicidade
Publicidade