Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Carta de Palocci mostra fraqueza de caráter e desespero, diz PT

Presidente da legenda, Gleisi Hoffmann afirma que ex-ministro mente para ‘agradar seus inquisidores’ e que política e moralmente ele já está fora do partido

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 20h36 - Publicado em 26 set 2017, 21h39

O PT afirmou, em nota oficial assinada por sua presidente, Gleisi Hoffmann, que a carta divulgada pelo ex-ministro Antonio Palocci, na qual faz críticas ao partido e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é uma demonstração de “fraqueza de caráter” e “desespero para agradar seus inquisidores”, em referência ao Ministério Público Federal.

Na carta, o ex-ministro reagiu à abertura de investigação no partido e sua suspensão da legenda por causa de seu depoimento ao juiz Sergio Moro, na Operação Lava Jato, no qual acusou Lula de ter feito um “pacto de sangue” com a Odebrecht por propinas – o ex-presidente diz que Palocci está mentindo para tentar fechar um acordo de delação.

Palocci apresenta no documento a sua desfiliação do partido, o que foi ironizado por Gleisi. “Política e moralmente, Palocci já está fora do PT”, afirma. Segundo ela, a carta não foi endereçada ao PT, mas aos procuradores da Lava Jato, e que é “a mensagem de um condenado que desistiu de se defender e quer fechar negócio com o MPF, oferecendo mentiras em troca de benefícios penais e financeiros”.

“A carta repete as falsas acusações que ele fez diante do juiz Sergio Moro e que contrariam seus depoimentos anteriores. Em qual Palocci se deve acreditar: no que diz ter mentido antes ou no que mudou de versão agora para se salvar?”, afirma a nota.

Na carta, revelada pela coluna Radar, Palocci diz que seu depoimento a Moro foi absolutamente verdadeiro e que ele tem como provar o que diz. “Não posso deixar de destacar o choque de ter visto Lula sucumbir ao pior da política”, escreveu Palocci.

Ele também criticou o PT por se portar como uma seita que acredita em tudo o que Lula diz. “Até quando vamos fingir acreditar na autoproclamação do ‘homem mais honesto do pais’ enquanto os presentes, os sítios, os apartamentos e até o prédio do Instituto são atribuídos a Dona Marisa?”

Palocci diz, ainda, que a ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli vão confirmar o conteúdo das suas denúncias. “Um dia, Dilma e Gabrielli dirão a perplexidade que tomou conta de nós após a fatídica reunião na biblioteca do Alvorada, onde Lula encomendou as sondas e as propinas, no mesmo tom, sem cerimônias, na cena mais chocante que presenciei do desmonte moral da mais expressiva liderança popular que o país construiu em toda nossa história”.

  • Veja a íntegra da nota do PT:

    A carta divulgada hoje (26) por Antonio Palocci e seus advogados não se destina verdadeiramente ao PT, mas aos procuradores da Lava Jato. É a mensagem de um condenado que desistiu de se defender e quer fechar negócio com o MPF, oferecendo mentiras em troca de benefícios penais e financeiros.

    Continua após a publicidade

    A carta repete as falsas acusações que ele fez diante do juiz Sergio Moro e que contrariam seus depoimentos anteriores. Em qual Palocci se deve acreditar: no que diz ter mentido antes ou no que mudou de versão agora para se salvar?

    O PT trata de forma igual todos os filiados que enfrentam investigações e ações judiciais. Respeitamos o princípio da presunção da inocência. Ninguém será julgado por comissão de ética partidária antes do trânsito final dos processos na Justiça.

    Palocci decidiu “queimar seus navios”, romper com sua própria história e renegar as causas que defendeu no passado.

    A forma desrespeitosa e caluniosa como se refere ao ex-presidente Lula demonstra sua fraqueza de caráter e o desespero de agradar seus inquisidores.

    Politica e moralmente, Palocci já está fora do PT.

    Gleisi Hoffmann

    Presidenta Nacional do PT

     

    Veja a íntegra da carta de Palocci:

    Reprodução/Reprodução
    Reprodução/Reprodução
    Reprodução/Reprodução
    Reprodução/Reprodução
    Continua após a publicidade
    Publicidade