Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Carta ao Leitor: Um roteiro repetitivo

Enquanto o presidente se dedica ao seu universo fantasioso, os problemas reais do país continuam contabilizando vítimas e prejuízos

Por Da Redação Atualizado em 13 ago 2021, 12h29 - Publicado em 13 ago 2021, 06h00
CONFRONTO PERMANENTE - Desfile de tanques e sessão do STF: anteparo legal contra arroubos antidemocráticos -
CONFRONTO PERMANENTE - Desfile de tanques e sessão do STF: anteparo legal contra arroubos antidemocráticos – Pedro França/Agência Senado/Nelson Jr/

Dia sim, no outro também, o noticiário no Brasil é inundado pela possibilidade de um golpe orquestrado pelo presidente Jair Bolsonaro. O roteiro é mais ou menos semelhante. De modo irresponsável, o presidente diz barbaridades ou articula movimentos que afrontam o estado democrático de direito. Representantes da sociedade civil e de outros poderes reagem contra a investida, a turma do deixa-­disso intervém, Bolsonaro recua, diz que não é nada disso, e a situação se normaliza. Até que… como se nada tivesse dito, ele reinicia o processo. Com esse comportamento ciclotímico, a atual cena política brasileira faz lembrar a trama do filme Feitiço do Tempo, de 1993, em que o pior dia do protagonista, interpretado por Bill Murray, se repetia indefinidamente. Enquanto o presidente se dedica ao seu universo fantasioso, os problemas reais do país — pandemia, desemprego e alta carga tributária, para citar apenas alguns — continuam contabilizando vítimas e prejuízos.

Nesta semana, o clímax dessa desagradável sequência ganhou ares de superprodução com o desnecessário desfile de tanques pelas ruas de Brasília. A suposta demonstração de força — caracterizada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, como uma “trágica coincidência” — aconteceu exatamente no dia da votação sobre o voto impresso, obsessão bolsonarista, que acabou fragorosamente derrotada no Congresso. Evidentemente, o enredo terminou como o usual, com as reações de praxe ao descalabro presidencial e a certeza de que o país não sofrerá um novo golpe. Mas sabemos também que novas ameaças à democracia, de forma direta ou indireta, serão realizadas em breve. Essa é a maneira pela qual Bolsonaro escolheu se posicionar até a eleição de 2022, uma mistura de estratégia para mobilizar sua base mais radical com a influência que recebe de pessoas que alimentam seus delírios autoritários e teorias conspiratórias (veja reportagem sobre os assessores Mosart Aragão e Max Guilherme, que começa na pág. 40). É uma lástima.

Felizmente, o Brasil não é mais a república das bananas que certas mentes deturpadas e limítrofes acreditam ser. Embora a imagem do país no exterior esteja péssima em razão dessas trapalhadas, nossas instituições têm demonstrado profunda resiliência às instabilidades provocadas e um grau de maturidade histórico — tanto no Poder Legislativo quanto no Judiciário. No Supremo Tribunal Federal, conhecido pelas enormes divergências em relação a diversos temas, existe uma reprovação total ao comportamento do presidente e seus asseclas. Nessa toada, tem papel de destaque o ministro Alexandre de Moraes, que concentra as principais investigações criminais contra Bolsonaro e aliados: fake news, atos antidemocráticos e interferência na Polícia Federal. Como mostra a reportagem que começa na página 26, Moraes hoje é a principal muralha contra os arroubos exacerbados do presidente e tornou-se um elo de coesão entre as diversas alas do STF. Ainda que suas decisões muitas vezes sejam consideradas heterodoxas na visão de alguns de seus pares, sua atuação hoje é a garantia de que esse repetitivo e desagradável roteiro — que contraria a Constituição — terá, pelo menos, um final feliz.

Publicado em VEJA de 18 de agosto de 2021, edição nº 2751

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)