Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Carta ao Leitor: Palanque sem ideias

Candidatos apresentam discursos demagógicos, promessas vagas e platitudes sobre os mais variados assuntos, das contas públicas ao meio ambiente

Por Da Redação Atualizado em 20 Maio 2022, 14h19 - Publicado em 20 Maio 2022, 06h00

O primeiro grande debate presidencial ocorrido após o longo inverno autoritário de 21 anos do regime militar ficou marcado pela confusão memorável do encontro — e não se podia esperar algo muito melhor de um país destreinado para a democracia. Televisionado no dia 17 de julho de 1989, o evento contou com a presença de nove candidatos entre os 22 nomes que concorriam na ocasião ao Palácio do Planalto. Em um dos muitos bate-bocas que entraram para a história, Leonel Brizola (PDT) chamou Paulo Maluf (PDS) de “filhote de ditadura”, arrancando risos da plateia presente ao estúdio da Bandeirantes. No papel de mediadora, a jornalista Marília Gabriela fez o possível, mas não conseguiu aplacar os ânimos dos concorrentes. Sobraram acusações, faltaram ideias.

Passadas sete eleições presidenciais ocorridas ao longo de mais de três décadas, imaginava-se que os candidatos da atual campanha apresentassem um espetáculo diferente, em um tom muito mais maduro de debate sobre os grandes problemas nacionais (que não são poucos). Infelizmente, não é o que acontece no momento. Em boa parte do tempo, seja em entrevistas à imprensa, aparições públicas ou manifestações nas redes sociais, a maioria dos concorrentes vive à base de caneladas, esbanjando ódio uns contra os outros. Proliferam também discursos demagógicos, promessas vagas e platitudes sobre os mais variados assuntos, das contas públicas ao meio ambiente.

O problema é visível, principalmente nos dois que lideram a corrida. Na luta pela reeleição e em segundo lugar nas pesquisas, Jair Bolsonaro pede votos, entre outras sandices, acenando para o fantasma da volta do comunismo. Do lado oposto, o líder nas sondagens, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, chegou a ponto de dizer em entrevista à revista americana Time que não discute política econômica enquanto não vencer o pleito. Ou seja: quer um cheque em branco nas mãos, um pensamento tão alucinado quanto o do seu rival. Paradoxalmente, conforme mostram as mesmas pesquisas, são exatamente temas como inflação, pobreza e desemprego que estão no centro das preocupações dos eleitores.

E a razão é óbvia. Num cenário no qual o país vive uma preocupante crise econômica, com desdobramentos sociais terríveis, os candidatos precisam ser cobrados a contar o que pretendem fazer para criar um futuro melhor. A falta de ideias consistentes para questões como desigualdade social e educação, aliás, está entre os motivos do nosso fracasso como país até aqui. É preciso elevar o nível da discussão e sair da dinâmica dos ataques desequilibrados, como se os lados envolvidos fossem fanáticos torcedores de futebol. Nós temos de debater, na verdade, o que deve ser feito para melhorar a vida das pessoas nas mais diversas áreas. Cheio de desafios pela frente, o Brasil precisa urgentemente de soluções racionais e bem planejadas — e de menos patacoadas, como aquelas que marcaram o histórico encontro de 1989.

Publicado em VEJA de 25 de maio de 2022, edição nº 2790

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)