Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Carne Fraca: Planalto minimiza grampo que gravou ministro

PF interceptou uma conversa entre Osmar Serraglio e o fiscal agropecuário Daniel Gonçalves Filho, apontado como chefe do esquema dos frigoríficos

Por Da redação Atualizado em 18 mar 2017, 09h09 - Publicado em 18 mar 2017, 08h52

O Palácio do Planalto tentou minimizar o grampo da Operação Carne Fraca que interceptou uma conversa do atual ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB-PR), com o fiscal agropecuário Daniel Gonçalves Filho, superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná entre 2007 e 2016 e apontado como chefe da organização criminosa que burlava a fiscalização em troca de propina.

Nesta sexta-feira, o ministro confirmou que ligou para o superintendente, a quem chamou de “chefe” no áudio, preocupado com o fechamento de um frigorífico no Paraná, onde fica sua base eleitoral. De acordo com o inquérito da Polícia Federal, Serraglio, então deputado federal, ligou para Gonçalves Filho para perguntar sobre o possível fechamento do frigorífico Larissa, em Iporã (PR).

“Recebi um comunicado dizendo que iam fechar o frigorífico, aí liguei. A expressão que a imprensa está explorando é porque eu o chamei de chefe. Ele era o chefe. Era o Superintendente do Paraná da Agricultura. Liguei para saber o que estava acontecendo”, explicou o ministro durante agenda em Porto Alegre. Segundo Serraglio, Gonçalves Filho retornou a ligação e disse que a empresa iria permanecer aberta.

O ministro afirmou que não conhecia Gonçalves Filho até ele ser indicado para o cargo a superintendente, em 2007, pelo então deputado Moacir Micheletto (PMDB-PR), morto em 2012. “A bancada precisa apoiar. Eu era o primeiro secretário [da Câmara dos Deputados]. Eu tinha expressão. O ministro era do Paraná, o Reinhold Stephanes. O deputado Micheletto pediu para eu assinar”, disse. De acordo com as investigações da PF, não há indícios de que Serraglio tenha ligação com as fraudes.

“O diálogo não o compromete”, disse um interlocutor do presidente Michel Temer, acrescentando que ele já deu explicações ao governo e à opinião pública. Serraglio, que estava no Rio Grande do Sul, e Temer, que passou o dia em São Paulo, conversaram ontem por telefone.

Outro interlocutor do presidente, no entanto, reconheceu que a citação do nome do ministro Serraglio no episódio, naturalmente “arranha” a imagem dele. O problema, na avaliação deste assessor, é a repercussão. Para ele, se continuarem a sair notícias como estas “o ministro sim, se enfraquece”. Outra preocupação é que, prosseguimento as repercussões do caso, ter um ministro da Justiça investigado é, no mínimo, desconfortável.

(Com Estadão Conteúdo) 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)