Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cármen Lúcia se reúne com Jorge Viana para discutir caso Renan

Presidente do STF conversou com os demais ministros da Corte e disse que o cenário é 'delicado'

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, se reuniu na tarde desta terça-feira com o primeiro vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC), para discutir o afastamento de Renan Calheiros do posto de cúpula do Congresso. Viana, que assumirá o posto em substituição a Renan, também conversou hoje com os ministros Teori Zavascki, Dias Toffoli, Luiz Fux e Roberto Barroso sobre o esgarçamento das relações entre o Legislativo e o Judiciário e a crise institucional instalada. Cármen Lúcia também telefonou aos ministros Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello e avaliou que o cenário é “delicado”.

Na conversa com a presidente do STF, Viana expôs a gravidade do momento político e pediu que o Supremo tivesse uma “decisão definitiva” sobre o afastamento de Renan. Antes do pedido do senador, porém, o ministro Marco Aurélio Mello, que concedeu a liminar para retirar Calheiros da linha sucessória da Presidência, já havia pedido a inclusão do processo na pauta do Plenário. O tema será discutido nesta quarta-feira a partir das 14 horas.

Depois de se reunir com Cármen Lúcia, Jorge Viana disse que não pretende se transformar em um presidente interino que tenta se perpetuar no poder. Ele fez referência ao processo de impeachment da petista Dilma Rousseff e emendou: “Eu não sou, não vou ser e não quero ser nem Michel Temer nem Maranhão”.

“A decisão [de Marco Aurélio Mello] apenas afasta o presidente Renan, o presidente Renan segue presidente. É uma situação que o Brasil começou a experimentar que não tem dado certo. Afasta uma presidente da República, tem um presidente que está provisório, mas pode tudo. Afasta o presidente da Câmara, aí tem um outro vice-presidente”, declarou o senador. “Eu fico torcendo para que a gente não tenha depois dessa decisão mais uma crise”, disse.

Nesta terça-feira, Renan Calheiros se recusou a assinar a notificação judicial que o informava de seu afastamento da chefia da Casa Legislativa e costurou uma decisão em que a Mesa Diretora do Senado se coloca formalmente contra o STF e se recusa a cumprir a liminar de Marco Aurélio. A manobra, ratificada pelos senadores, é mais um capítulo do embate institucional entre Congresso e STF. O oficial de justiça encarregado de notificar Calheiros chegou ao Senado as 9h37 para comunicar oficialmente ao político o teor da decisão liminar. Deixou a Casa às 15h06 sem conseguir entregar a notificação judicial.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Emanuel Lopes de Souza

    nossas leis não são baseadas na convicção , geram dúvidas até nos mais banais julgamentos, quem é o bandido , quem é o mocinho ? o presidente do senado federal tem um monte de processos que desqualifica sua imparcialidade e honestidade. O STF , é sabido que pelo menos quatro ministros , são tendenciosos á partidos políticos que os desqualifica sua imparcialidade e honestidade ; o brasil e seus senhores feudais

    Curtir

  2. JOSÉ ROBERTO DE LIMA MACHADO

    Ministra, a esperança da Nação Cidadã está com a Sra. Use a “mão amiga”, mas não titubei na “firmeza”.Exercite a justeza da mulher brasileira que a outra não tinha e ainda por cima a manchou.Mostre a “grandeza” encapsulada neste corpo de uma “Irmã Dulce”.Use de todos os meios que lhes são disponíveis e salve as próximas gerações. – “AD-SUMUS”!

    Curtir

  3. Ramiro Rodrigues

    E lamentável o que acontece mais e necessario para fortalecer a justiça o supremo tem que ser forte nesse momento e o que povo demonstra

    Curtir

  4. Olivio Setra

    Esse corrupto não quer sair por bem ! Leva por mal…Prenda esses corruptos golpistas que vem apoiando outro corrupto…Afinal políticos desqualificados estamos todos juiz Ségio moro.

    Curtir

  5. dalmir zanetti

    Finalmente tiveram a coragem de agir. Estavam o tempo todo rebaixando-se para o STF que já não tem a imparcialidade de antes. STF deixou muito a desejar no caso Dilma e o proprio ex ministro Joaquim Barbosa foi bem enfatico em entrevista ao portal UOL e Folha. Um poder não pode sobrepor ao outro e prestem atenção; ESTÃO DEIXANDO TODO MUNDO MANDAR E AO FINAL VÃO VER NO QU7E VAI DAR.

    Curtir

  6. Um dos dois tem que ser demitido: ou Renan ou Marco Aurélio de Mello

    Curtir

  7. Napoleao Gomes

    Qualquer condenado pelo STF poderá de hoje em diante requerer o mesmo tratamento dado ao cancaceirinho alagoano!

    Curtir

  8. É o Juiz se reunindo com o representante do réu para negociar fora dos autos. Os Ministros do Supremo estão tornando a Justiça do Brasil um toma-lá-da-cá igualzinho ao dos políticos mais calhordas.

    Curtir

  9. Hermes Alves de Matos

    Tsc tsc, a véia enganou todo mundo, pensei que ia agir com rigor dentro das leis, nada, vai papear com os meliantes, tentar acordo, coisa e tal… é de matar de nojo!

    Curtir