Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cármen Lúcia: Democracia só existe com Judiciário forte e livre

Manifestação da presidente do STF ocorre após pesquisa apontar que houve aumento significativo na desaprovação a ministros da Corte

Por Da Redação
Atualizado em 29 ago 2017, 15h31 - Publicado em 29 ago 2017, 12h35

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, fez na manhã desta terça-feira uma defesa do Poder Judiciário e da atuação de magistrados em todo o país. Em sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ela disse que não é possível garantir a manutenção de um regime democrático sem preservar a autonomia dos juízes.

“Sem o Poder Judiciário forte, livre e imparcial — no sentido de não ter partes, de não adotar atitudes parciais — não teremos uma democracia, que é o que o Brasil tem na Constituição e espera de uma forma muito especial dos juízes brasileiros para a garantia dos direitos e das liberdades dos cidadãos”, declarou a ministra, que também preside o CNJ.

Cármen Lúcia afirmou que os magistrados brasileiros merecem ser reconhecidos “por tudo que trabalham, que se empenham e que sofrem”. Segundo ela, muitas vezes os juízes são incompreendidos em suas decisões. “É claro que todas as vezes que nós julgamos, ao menos uma parte fica insatisfeita com o juiz, e isso se transfere cada vez mais, sem uma compreensão exata da técnica, para a própria pessoa, o que faz com que a nossa não seja uma função fácil. Ela é apenas necessária.”

Continua após a publicidade

A manifestação da ministra ocorre em meio à controvérsia dos salários dos juízes brasileiros. Recentemente, o CNJ emitiu uma portaria determinando que todos os tribunais de Justiça estaduais informem os vencimentos exatos dos seus magistrados. Cármen Lúcia também determinou que o site do STF detalhe o contracheque de todos os ministros e servidores da Corte.

Além disso, uma pesquisa Ipsos divulgada no fim de semana mostrou que, entre julho e agosto, houve aumento significativo da desaprovação a ministros do STF. Até o juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em primeira instância, enfrenta desgaste: apesar de seu desempenho ainda ser majoritariamente aprovado pela população, sua taxa de rejeição está no nível mais alto em dois anos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.