Carlos mantém ataques a Mourão após pedido de Bolsonaro por armísticio

Filho do presidente criticou fato de vice ter dito que 'declaração judicial não se comenta' após ser questionado sobre a redução de pena de Lula

Por Guilherme Venaglia - Atualizado em 24 abr 2019, 14h58 - Publicado em 24 abr 2019, 08h46

Filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC) manteve os ataques contra o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) nas redes sociais mesmo depois de o general Otávio Rêgo Barros, porta-voz da Presidência da República, ter lido um comunicado em que o presidente pede que se ponha um fim na discussão.

Apesar dessa manifestação do pai, Carlos Bolsonaro voltou à carga na noite desta terça-feira, 23, compartilhando duas reportagens com comentários do vice-presidente. Em uma, também de ontem, Mourão diz que “decisão do Judiciário não se comenta”, uma vez instado a se posicionar sobre a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do tríplex, mas reduziu a pena imposta ao petista.

“Vale lembrar que o STF sentiu a pressão da internet e ruas ao analisar estranho caso de liberdade de expressão. Decisão se cumpre, mas também se comenta. Qualquer outra interpretação mais uma vez demonstra a paixão camuflada”, escreveu o vereador sobre o assunto.

Essa segunda publicação teve anexada uma reprodução da segunda matéria, de janeiro, quando Mourão criticou a chamada “despetização” promovida pelo ministro Onyx Lorenzoni na Casa Civil. Na época, o vice manifestou preocupação com o fato de que a demissão em massa de funcionários da pasta sem que outros fossem contratados imediatamente poderia provocar uma paralisia parcial dos serviços da Casa Civil.

Publicidade

Se por um lado Jair Bolsonaro pediu o fim da briga entre o filho vereador e Mourão, por outro é verdade que o comunicado deixou claro que ele “sempre estará ao lado” de Carlos, apesar de ter “apreço” pelo vice-presidente. Da mesma forma, Bolsonaro não utilizou as redes sociais para falar sobre o assunto, como costuma fazer em temas em que tem posição mais enfática. A mensagem através do porta-voz, assim, acaba ganhando contornos mais simbólicos e burocráticos, sem representar uma oposição concreta do presidente às opiniões manifestadas pelo filho.

Aliás, filhos. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) transferiu para Mourão a responsabilidade pela crise. “O que tem causado bastante ruído são as sucessivas declarações do vice-presidente de maneira contrária ao presidente da República”, afirmou. Eduardo também criticou o fato de o general ter curtido uma publicação da jornalista Rachel Sherezade, em tom crítico a Bolsonaro, nas redes sociais.

Olavo de Carvalho

O confronto entre Carlos Bolsonaro e Hamilton Mourão é produto de um outro desentendimento público, entre os militares do governo, como o vice, e o escritor Olavo de Carvalho, autor conservador que é seguido por diversos atores políticos do entorno de Bolsonaro, incluindo os filhos Carlos e Eduardo.

Olavo tem feito publicações fortemente críticas aos integrantes das Forças Armadas que ocupam postos-chave do governo, em especial o vice-presidente e o ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Santos Cruz.

Publicidade

Também causaram desconforto as falas de Olavo de que a ditadura militar, ao interferir pouco no campo da cultura no campo da redemocratização, abriu caminho para a hegemonia da esquerda nesse segmento, fenômeno que o escritor classifica como “marxismo cultural”. Um vídeo dele com falas nessa linha chegou a ser publicado, e depois apagado, da conta oficial do próprio presidente no domingo 22.

Para Eduardo Bolsonaro, “tanto Olavo quanto Carlos estão apenas reagindo a isso tudo que salta aos olhos de quem acompanha a política”.

“Bolsonaro fala que é contra o aborto, ele fala que é a favor. Olha, tudo bem, é uma opinião dele. Mas, vice-presidente, a função dele não é dar opinião, ele já deu. Ele já apareceu neste tempo aí somado mais que José Alencar, Marco Maciel, Itamar Franco e o Temer, que eram vices”, disse, em referência aos ocupantes dos cargos nos governos Lula, Fernando Henrique Cardoso, Collor e Dilma Rousseff, respectivamente.

Publicidade