Clique e assine com até 92% de desconto

Câmara Municipal do Rio de Janeiro rejeita impeachment de Crivella

Por 25 votos a 23, vereadores arquivaram o processo que poderia afastar o prefeito; investigação do caso dos "Guardiões" segue com MP e polícia

Por Ricardo Ferraz Atualizado em 3 set 2020, 19h54 - Publicado em 3 set 2020, 19h38

Por 25 votos a contra e 23 a favor, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro rejeitou o pedido de abertura de processo de impeachment do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

Dois, dos 51 vereadores não votaram: Júnior da Lucinha (PL) e Thiago Ribeiro (DEM).

Com a decisão, Crivella reafirma a força da base aliada na Câmara e afasta a possibilidade de impedimento a poucos meses da eleição municipal, em que vai tentar a reeleição.

O pedido de impeachment se baseava no caso que ficou conhecido como “Guardiões do Crivella”, revelado pela TV Globo. Servidores nomeados pelo gabinete do prefeito e pagos com dinheiro público ficavam na porta de hospitais tentando impedir a realização de reportagens que tratassem da saúde no município.

O principal argumento dos apoiadores do prefeito, como adiantado por VEJA, foi a prévia instalação de uma CPI para investigar o caso.

“Crime em fim de mandato é crime. Vamos criar CPI para terminar em pizza?”, perguntou o Líder do PSOL, Professor Tarcísio Motta, durante encaminhamento do voto.

“É a Justiça quem vai definir o que é crime. Não vamos permitir que esse momento, às vésperas da eleição, seja aproveitado de forma sorrateira, oportunista para tentar ganhar a eleição no tapetão”, respondeu o líder do bloco com maior número de vereadores da Cãmara, Dr. Jorge Manaia.

Com o resultado, o processo foi arquivado e Crivella segue na prefeitura do Rio de Janeiro.

O caso dos “Guardiões do Crivella” ainda segue sob investigação da Polícia Civil e do Ministério Público do estado.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade