Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Câmara do Rio suspende recesso para analisar impeachment de Crivella

Oposição aponta que prefeito cometeu improbidade por ter prometido vantagens a lideranças evangélicas em reunião reservada no Palácio da Cidade

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro suspendeu extraordinariamente o recesso e discute, a partir desta quarta-feira, o futuro do prefeito da capital, Marcelo Crivella (PRB). Dezessete vereadores de oito partidos de oposição conseguiram interromper o recesso para pôr em discussão e votação o processo de impeachment de Crivella. A votação deve ocorrer nesta quinta-feira (12).

Os pedidos apontam que Crivella cometeu improbidade administrativa por ter utilizado o Palácio da Cidade como local para uma reunião com lideranças evangélicas, no último dia 4 , com promessas de vantagens. O mesmo motivo suscitou também um pedido de investigação pelo Ministério Público (MP), feito por vereadores de oposição.

Na última quarta-feira 4, o prefeito, que é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, fez uma reunião fora da agenda oficial no Palácio da Cidade com mais de 250 pessoas. Na ocasião, o prefeito ofereceu auxílio em cirurgias de catarata para fiéis e assistência a pastores que tivessem problemas com a cobrança de IPTU em seus templos. 

Crivella também anunciou facilidades para cirurgias de varizes e vasectomia, e chegou a indicar dois de seus assessores para resolver esses problemas. Os diálogos do encontro foram divulgados pelo jornal O Globo.

Nesta terça-feira, vereadores da oposição coletaram as 17 assinaturas necessárias, um terço do total das cadeiras da Câmara, para suspender o recesso e convocar a sessão extraordinária para discutir a abertura de processo de impeachment contra Crivella. 

Mobilização

A aprovação do processo de impeachment depende de 34 votos favoráveis para iniciar o processo. Os parlamentares da base de Crivella classificam a iniciativa de eleitoreira e garantem que ela será derrotada por ampla margem de votos.

Há gravações de áudio e vídeo com registros de que o prefeito ofereceu vantagens como cirurgias de catarata, varizes, vasectomia e até mesmo a isenção de IPTU para igrejas evangélicas.

“A base aliada do prefeito é muito volúvel. Ele não tem uma base orgânica, como o [ex] prefeito Eduardo Paes tinha, de 18 vereadores. O Crivella foi eleito com apenas três vereadores de seu partido. Então, a composição de maioria na Câmara depende sempre de muita negociação”, disse o vereador Renato Cinco (PSOL).

Porém, o líder da bancada governista, vereador Dr. Jairinho (MDB), sustenta que tudo aconteceu dentro da normalidade, e que não representa motivo sério para o impeachment de Crivella.

“Não tem motivação para impeachment. Isso é um processo eleitoreiro. Estão querendo fazer um palanque político. Ninguém viu motivação grave para isso. Estamos passando por um momento tão difícil no Brasil, aí o cara faz uma reunião para poder orientar, e vai tomar o impeachment? Não é razoável”, afirmou Jairinho.

Em nota, a prefeitura do Rio afirmou que a reunião, ocorrida no último dia 4, entre Crivella e os evangélicos, teve como objetivo prestar contas e divulgar serviços, como mutirão de cirurgias de catarata e varizes, e que não há nenhuma irregularidade na ação do prefeito em indicar uma assessora para orientar a população.

Defesa

Em nota, a assessoria de imprensa de Crivella afirmou que o prefeito recebe ”com muita tranquilidade a notícia de que o pedido de Impeachment será avaliado pela Câmara Municipal”. Confira, abaixo, a íntegra do texto. 

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, recebe com muita tranquilidade a notícia de que o pedido de Impeachment será avaliado pela Câmara Municipal, por entender que  faz parte do jogo político da oposição. Mas tem certeza que  os vereadores  vão saber separar o que é realidade do que é manipulação nesse caso.  

(com Agência Brasil e Estadão Conteúdo)