Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Câmara barra feriado, mas encurta expediente na segunda

Funcionários foram liberados às 13 horas. Em dia sem sessão em plenário ou audiência pública, movimento nos corredores foi fraco desde a manhã

O expediente na Câmara Municipal de São Paulo foi mais curto nesta segunda-feira, dia de jogo da seleção brasileira na Copa do Mundo. Sem sessão em plenário, os funcionários foram dispensados às 13 horas, por decisão da Presidência da Casa, comandada pelo vereador José Américo (PT). A folga no período da tarde foi anunciada pelo sistema sonoro do prédio, que fica no Viaduto Jacareí, região central da cidade.

Apesar de “agradecidos”, os funcionários foram pegos de surpresa pela decisão. Na semana passada, os vereadores rejeitaram votar novo pedido do prefeito Fernando Haddad (PT) para decretar feriado na segunda-feira. Nem houve quórum para avaliar a proposta. Por causa da negativa, restou à administração dar ponto facultativo aos órgãos públicos municipais e anunciar medidas para reduzir o impacto no trânsito.

Na Câmara, nenhuma alteração relacionada ao horário de funcionamento da Casa foi anunciada semana passada. Nesta segunda, porém, o presidente resolveu seguir solicitação de Haddad e alterar os períodos de trabalho dos servidores. Aos parlamentares, foi dada a opção de abrir ou não os gabinetes. Às 15 horas, não havia mais recepcionistas na porta e o telefone central já não atendia às ligações. Até por celular foi difícil encontrar os vereadores.

Pela manhã, o movimento nos corredores da Câmara foi menor. Com medo do trânsito, muitas pessoas que frequentam a sede do Legislativo municipal cancelaram ou remarcaram compromissos. A agenda oficial também foi suspensa – nenhuma audiência pública ou mesmo reunião de comissões de inquérito foi realizada. Além de facilitar a saída dos funcionários, a dispensa dada pela presidência ainda contempla, mesmo que parcialmente, os integrantes da base aliada do prefeito Haddad que defenderam, juntamente com o PT, que fosse feriado na cidade. A medida deve se repetir em outros jogos do Brasil avançar no Mundial.

(Com Estadão Conteúdo)