Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Visita’ de Adélio à Câmara no dia de ataque foi erro de funcionário

Polícia Legislativa chegou a abrir inquérito sigiloso e concluiu que nome de autor de atentado contra Bolsonaro foi inserido em sistema por engano

Por Estadão Conteúdo
Atualizado em 20 set 2018, 10h16 - Publicado em 20 set 2018, 08h37

A Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados concluiu que o registro de uma visita de Adélio Bispo de Oliveira na Casa no mesmo dia do ataque contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) não passou de um engano. O parlamentar, candidato à Presidência, foi atacado em 6 de setembro quando fazia um ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

O órgão chegou a abrir uma investigação sigilosa, mas, segundo o diretor Paul Pierre Deeter, a conclusão foi que um funcionário acessou o sistema para checar se havia alguma informação de que o autor da facada já teria estado no Congresso anteriormente.

“Como o caso teve grande repercussão na mídia, o funcionário quis fazer essa busca, mas acabou registrando o nome de Adélio no sistema quatro horas depois do fato”, afirmou Deeter ao O Estado de S. Paulo — como o sistema usado é antigo, o dado não pode ser apagado e acabou permanecendo.

Para ele, não houve má-fé porque o recepcionista acionou seus superiores imediatamente para relatar o ocorrido. A investigação, que não chegou a gerar um inquérito, será arquivada.  Deeter também informou que o sistema deverá ser trocado até o final do ano.

Anteriormente, em ofício encaminhado ao terceiro-secretário, deputado João Henrique Caldas (PSB-AL), a Polícia Legislativa informava que havia registros de entrada no nome de Adelio no mesmo dia do ataque. A informação foi antecipada pelo site O Antagonista.

Continua após a publicidade

Deeter, que assina o ofício, afirma no documento que, “considerando a impossibilidade de ter ocorrido o seu acesso às dependências da Câmara dos Deputados neste dia, e no intuito de se averiguar as circunstâncias nas quais se deram os supostos registros”, o órgão abriu uma ocorrência policial para investigar o caso.

A Casa também identificou que Adelio esteve na Câmara em 6 de agosto de 2013, mas os gabinetes que ele teria visitado ainda são desconhecidos.

Sanidade

A Justiça Federal em Juiz de Fora autorizou que um psiquiatra indicado pela defesa de Adelio faça uma avaliação da saúde mental do agressor confesso de Bolsonaro. O laudo do médico particular poderá servir para a defesa do pedreiro entrar com um novo pedido de “instauração de incidente de insanidade”. Trata-se de um exame previsto no Código de Processo Penal.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.