Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bolsonaro sobre suspeitas contra Flávio: ‘Não tenho nada a ver com isso’

Questionado se ele via perseguição do MP ao seu filho, presidente envolveu governador Wilson Witzel

Por Leonardo Lellis - Atualizado em 19 Dec 2019, 11h39 - Publicado em 19 Dec 2019, 11h04

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta quinta-feira (19) não ter “nada a ver” com as suspeitas do Ministério Público do Rio de Janeiro contra seu filho, o senador Flávio Bolsonaro. Na portaria do Palácio da Alvorada, onde atende seus apoiadores, o presidente inicialmente se recusou a comentar a operação deflagrada ontem. “O Brasil é muito maior do que pequenos problemas. Eu falo por mim. Problemas meus podem perguntar que eu respondo. Dos outros, não tenho nada a ver com isso”, disse. “Se eu afundar vocês afundam juntos”, completou. Diante da insistência, ele sugeriu que procurassem seu advogado, Frederick Wassef — que também representa o filho.

Ao ser questionado se ele via perseguição do MPRJ contra seu filho, Bolsonaro envolveu o governador fluminense Wilson Witzel, seu adversário político. O presidente disse que a inteligência do governo federal identificou uma gravação que tentou relacioná-lo a milicianos. “Vocês sabem o caso Witzel, que foi amplamente divulgado. A inteligência levantou. Já foram gravadas conversas de dois marginais usando meu nome para dizer que sou miliciano”, disse, sem explicar qual era esta gravação.

Bolsonaro ainda citou investigações contra si que considera injustas, como a acusação de racismo, que acabou arquivada pelo Supremo Tribunal Federal, a multa por crime ambiental por pescaria em uma reserva ecológica ou o depoimento de um porteiro que citou seu nome no inquérito sobre a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ).

“Ainda querem achar que eu estou no caso Marielle. Uma quarta-feira, onde quarenta minutos depois da ligação do porteiro, que não foi para a minha casa, eu estava em Brasília, não estava lá [no Rio]. Vamos supor que se o João quisesse matar a Marielle no Rio, ele ia estar em Roraima naquele dia para dizer que não estava lá.”

A suspeita do MPRJ é que Flávio recebia parte dos salários de seus funcionários através do esquema operado pelo seu ex-assessor Fabrício Queiroz. Embora o caso tenha vindo à tona há cerca de um ano, quando um relatório Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) indicou operações financeiras atípicas nas contas do ex-assessor, o órgão deflagrou nesta quarta-feira, 18, uma operação para aprofundar as apurações. Ambos negam qualquer irregularidade.

Continua após a publicidade

Além de Queiroz e do senador, outras 101 pessoas físicas e empresas que passaram pelo gabinete de Flávio Bolsonaro durante seu mandato na Alerj entre 2003 e 2018 já tiveram quebrados seus sigilos bancário e fiscal. A investigação apura se houve crime de peculato, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e organização criminosa.

A operação de ontem incluiu a quebra de sigilo telefônico de pessoas ligadas à família Bolsonaro. O objetivo era identificar mensagens e registros de diálogos dos suspeitos. Uma loja de chocolates no shopping Via Parque, na Zona Oeste do Rio também foi alvo de buscas.

Publicidade