Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bolsonaro recebe Netanyahu em meio a aproximação entre Brasil e Israel

Uma reunião aconteceu a portas fechadas, também com a presença de futuros ministros

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 28 dez 2018, 18h54 - Publicado em 28 dez 2018, 16h29

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) se reuniu, nesta sexta-feira 28, no Rio de Janeiro, com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em meio a movimentos dos dois líderes para estreitar as relações entre Brasil e Israel.

Os dois chefes de estado foram registrados conversando em meio a sorrisos no Forte Copacabana. Uma reunião aconteceu a portas fechadas, também com a presença dos futuros ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Paulo Guedes (Economia).

A viagem de Netanyahu ao Brasil acontece em meio a uma crise política em Israel. O premiê é alvo de acusações de corrupção, e o país está diante da antecipação das eleições, nas quais o premiê é favorito para conquistar a reeleição.

“Vamos discutir os laços de Israel com o maior país da América Latina, o quinto mais populoso do mundo. O Brasil é um país gigantesco, com um potencial gigantesco para o Estado de Israel, economicamente, diplomaticamente”, escreveu Netanyahu em sua conta no Twitter antes de embarcar para o Brasil, onde também acompanhará a posse de Bolsonaro na terça-feira.

Continua após a publicidade

“Estou feliz de que possamos começar uma nova era entre Israel e essa grande potência chamada Brasil”, acrescentou o premiê.

Também no Twitter, Bolsonaro saudou na véspera o encontro com o chefe de Estado israelense.

“Nos reuniremos e discutiremos novos rumos para nossas nações. As expectativas são as melhores para este momento inédito de nossa história”, escreveu Bolsonaro na rede social.

Entre as promessas de Bolsonaro está a transferência da embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. A medida polêmica, já que a parte oriental de Jerusalém é pretendida pelos palestinos como capital de um futuro Estado, deve desagradar países árabes que são importantes compradores de produtos brasileiros, especialmente agrícolas.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês