Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Bolsonaro recebe alta da Unidade de Terapia Semi-Intensiva

Boletim médico informa que presidenciável não apresenta dor, febre ou disfunções orgânicas e que continua a fazer exercícios de fortalecimento muscular

Por Da Redação Atualizado em 22 set 2018, 16h20 - Publicado em 22 set 2018, 15h31

O Hospital Albert Einstein divulgou no começo da tarde deste sábado, 22, um novo boletim com informações sobre o estado de saúde do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro. A equipe médica que atende o presidenciável informou que ele não apresenta dor, febre ou disfunções orgânicas. A melhora clínica progressiva permitiu que ele recebesse alta da Unidade de Terapia Semi-Intensiva nesta manhã.

De acordo com fontes ouvidas por VEJA, a alta da Unidade de Terapia Semi-Intensiva significa apenas uma alteração de tratamento, que demanda menos cuidados e não uma mudança de localização. Ele permanece no mesmo quarto em que estava antes.

Segundo o boletim, o candidato “segue com recuperação dos movimentos intestinais, recebendo dieta pastosa em associação à nutrição parenteral. Está mantendo as medidas de prevenção de trombose venosa” e realizando exercícios respiratórios, de fortalecimento muscular e períodos de caminhada fora do quarto.

O documento é assinado pelo cirurgião Antônio Luiz Macedo, o clínico e cardiologista Leandro Echeniquye e o diretor superintendente do Albert Einstein, Miguel Cendoroglo. Leia aqui o boletim médico na íntegra.

  • Facada

    Internado no hospital paulistano desde o dia 7 de setembro, Jair Bolsonaro foi esfaqueado na barriga durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG), no dia anterior.

    A facada atingiu a artéria mesentérica, causou três perfurações no intestino delgado de Bolsonaro e uma lesão mais grave no cólon transverso, uma porção do intestino grosso. Ele passou por um procedimento chamado colostomia, que consiste na exteriorização de parte do intestino em uma bolsa, onde são excretados fezes e gases.

    O candidato deve ficar cerca de dois meses com a bolsa da colostomia e, então, será operado novamente para reverter o procedimento.

    Na noite de 12 de setembro, o presidenciável passou por uma nova cirurgia para desobstruir o intestino e segue se recuperando da nova intervenção desde então.

    Continua após a publicidade
    Publicidade