Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bolsonaro ironiza Cabral e sugere batalhão gay

Deputado criticou declarações do governador fluminense, que liberou bombeiros do estado a usarem viaturas na Parada Gay

Por Gabriel Castro - 17 Maio 2011, 17h04

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) sugeriu ao governador do Rio, Sérgio Cabral, que crie um batalhão de homossexuais no Corpo de Bombeiros fluminense, depois que o chefe do Executivo fluminense autorizou integrantes da corporação a participar, uniformizados e com viaturas, da Parada do Orgulho Gay.

Em tom de ironia, Bolsonaro também pediu que o nome de Cabral seja usado para homenagear o grupamento: “Só falta o Sérgio Cabral criar o batalhão gay o Rio de janeiro, o 24º Gay. E bota o nome do batalhão de batalhão Sérgio Cabral. Negociar com os bombeiros ele não quer. Agora, dizer que tem muito policial militar e bombeiro no armário? Ele está de brincadeira”, afirmou o parlamentar.

O deputado também chamou de “patifaria” a distribuição, em escolas públicas do Rio, de um caderno cuja capa traz o arco-íris, símbolo do movimento homossexual, e um apelo contra a homofobia.

Bolsonaro deu as declarações nesta terça-feira a poucos metros do local onde acontecia um seminário pela aprovação do casamento gay, na Câmara dos Deputados. O parlamentar se dispôs a participar do seminário que pede a aprovação do casamento homossexual pelo Congresso, mas disse que aguardava o convite. Como o recado não veio, ele desistiu e voltou ao gabinete.

Antes, porém, ele discutiu com alguns manifestantes homossexuais, que criticavam a postura do parlamentar.

OAB – Também nesta terça-feira, a Ordem dos Advogados do Brasil emitiu um comunicado criticando Sérgio Cabral pela postura. “Entendo que esses militares tem direito a participar de qualquer movimento gay como cidadãos, mas fora do horário do expediente de trabalho e sem usar farda e nem carros oficiais porque seria um absurdo”, disse Wadih Damous, presidente da Ordem no Rio de Janeiro.

Continua após a publicidade
Publicidade