Clique e assine a partir de 8,90/mês

Bolsonaro e Haddad defendem manter bancos oficiais e estatais estratégicas

De campos ideológicos distintos, os dois dizem que não privatizarão Banco do Brasil e CEF; venda da Petrobras e Eletrobras divide equipe do candidato do PSL

Por Da Redação - 13 out 2018, 00h13

Um é de direita, o outro é de esquerda. Um tem o apoio explícito do mercado, do empresariado e de especialistas e eleitores defensores da agenda liberal. O outro leva temor a setores financeiros, acha que o estado deve ter um papel estratégico no desenvolvimento do país e torce o nariz para a agenda neoliberal.

Mas em algumas coisas os presidenciáveis Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) concordam. Uma delas é que os bancos oficiais Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal continuarão sendo estatais em seus eventuais governos.

Haddad ainda vai mais longe: diz que não privatizará outras empresas que considera importantes para o governo, como a Petrobras, a Eletrobras, os Correios e a Embrapa. “São estatais estratégicas”, afirmou em entrevista à rádio CBN na quinta-feira, 11.

Bolsonaro não rejeita totalmente a privatização da Petrobras, mas já disse claramente que não pretende vendê-la por completo à iniciativa privada – admite a possibilidade de negociar subsidiárias e distribuidoras, mas defende manter com o governo o “miolo” da estatal.

Em transmissão ao vivo no Facebook nesta sexta-feira, 12, ele voltou a defender a não privatização de estatais estratégicas e citou Banco do Brasil, Caixa Econômica e Furnas entre os exemplos de empresas que não planeja ceder à iniciativa privada.

“Temos 150 estatais. No primeiro ano, vamos mandar para o espaço umas 50 que foram criadas pelo PT. Para outras 50, vai ter que ter critério, um modelo com responsabilidade, talvez uma golden share (ações com direito a veto),”, disse Bolsonaro. “O que for estratégico não pode privatizar.”

Na quarta-feira, 10, o mercado financeiro reagiu mal a comentários do candidato do PSL sobre as estatais “estratégicas”, cuja manutenção vai na direção oposta à da cartilha liberal de seu guru econômico, Paulo Guedes. A empresa mais afetada foi a Eletrobras, após o candidato ter dito na noite anterior, em entrevista à Band, que ela não seria privatizada. As ações da empresa caíram 9,25% na Bolsa de Valores de São Paulo – também perderam valor os papéis de outras estatais, como Petrobras e Banco do Brasil, o que fez com que o Ibovespa recuasse 2,8% ao final do dia.

Nesta sexta-feira, Paulo Guedes afirmou que é favorável à continuidade do processo de venda de distribuidoras da Eletrobras e de parte da área de geração da elétrica. “Na distribuição sim (sou a favor de privatizar), na transmissão isso é muito difícil, mas na geração há casos que sim, outros que não. Há muitos casos de geração privada forte”, disse.

A jornalistas, Guedes avaliou que, ao longo dos últimos anos, a Eletrobras perdeu a capacidade de investir e a venda de ativos pode ajudar na solução do problema. “Com a redemocratização, é natural que os recursos sejam exigidos para a área social, como saúde, educação e segurança pública. A essência do programa econômico é continuar essa transformação de um estado que perdeu capacidade de investir e foi aparelhado e com corrupção”, disse.

No caso das distribuidoras, o atual governo já privatizou quase todas as companhias da Eletrobras, com exceção da unidade no Amazonas, cujo leilão está previsto para 25 de outubro, e a de Alagoas, uma operação suspensa provisoriamente por decisão do Supremo Tribunal Federal.

Continua após a publicidade

Apesar das discordâncias, Bolsonaro, durante a transmissão ao vivo no Facebook, negou problemas com seu futuro ministro da Fazenda. “Não estou batendo de frente com Paulo Guedes de jeito nenhum. Concordo com 90% do que ele diz e ele concorda 90% do nosso lado. Está bem encaminhado esse casamento.”

Segundo ele, apesar das restrições que coloca à venda de algumas estatais, ele disse que seu governo vai ter “um grande plano de privatização”. “E pode ter certeza que o mercado não vai se decepcionar conosco não”, acrescentou.

Campo de batalha

A Petrobras está emergindo como um campo de batalha entre defensores do livre mercado e estatistas dentro da equipe de Bolsonaro, o que traz dúvidas sobre o futuro da empresa mais endividada do mundo – 74 bilhões de reais.

Guedes, que só se juntou à campanha neste ano, disse que defende uma privatização na petroleira, mas entre os conselheiros de Bolsonaro há incertezas sobre o futuro de suas próprias políticas. Um membro sênior da equipe, que falou na condição de anonimato devido à sensibilidade das questões, disse que pediu que a Petrobras seja dividida em quatro empresas e que três delas sejam vendidas.

Bolsonaro, pressionado por um quadro cada vez mais vocal de generais militares que estão surgindo como um contrapeso a Guedes, descreve a Petrobras como um ativo estratégico, embora tenha expressado amplas visões sobre a empresa nos últimos meses. O “miolo dela tem de ser conservado”, disse ele na entrevista à Band. “A questão do refino, refinarias, acho que você pode avançar gradualmente em direção às privatizações.”

Como deputado federal, o capitão reformado do Exército votou repetidamente para preservar o monopólio único da Petrobras sobre exploração e produção. Um de seus principais consultores em questões de infraestrutura e energia, o general Oswaldo de Jesus Ferreira, cotado para ministro dos Transportes de Bolsonaro, descreveu a empresa como um ativo estratégico que deve permanecer nas mãos do estado.

As evidentes tensões na equipe de campanha diante do futuro da companhia são um sinal de que a recente disparada das ações da Petrobras –de cerca de 20 por cento neste mês no caso dos papéis preferenciais, à medida que Bolsonaro subiu nas pesquisas pré-eleitorais e depois venceu o primeiro turno– pode ser exagerada.

“Dada a história de voto de Jair Bolsonaro em seus quase 30 anos no Congresso, sua conexão com setores militares estatistas e as declarações contraditórias de seus líderes de campanha sobre o assunto, é difícil acreditar que ele incluirá a Petrobras em um programa de privatizações”, disse Ricardo Lacerda, CEO do banco de investimentos BR Partners.”O mercado parece excessivamente otimista sobre essa questão.”

O guru de Haddad para petróleo é o ex-presidente da Petrobras Sergio Gabrielli, que muitos veem como tendo presidido uma era de corrupção e má administração na empresa.

“Por enquanto, o que reflete no preço da ação da Petrobras é simplesmente porque é uma empresa que pode ficar livre do tipo de intervenção que o PT promoveu”, disse Marcio Correia, que administra 14 bilhões de reais em ações da JGP Asset Management, no Rio de Janeiro. “Mas as ações da Petrobras ainda podem subir mais, dependendo do que um potencial governo Bolsonaro faz.”

(Com Estadão Conteúdo, Reuters e Agência Brasil)

Continua após a publicidade
Publicidade