Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bolsonaro diz que não vai se vacinar; Michelle toma Pfizer

Presidente ainda atacou a CoronaVac e ironizou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que havia recebido duas doses do imunizante do Butantan

Por Laryssa Borges 25 set 2021, 11h07

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em entrevista exclusiva a VEJA, que não vai se vacinar contra a Covid-19. O ex-capitão se recusou a dizer se recomendaria à população brasileira tomar os imunizantes contra o novo coronavírus e se limitou a comentar que “está à disposição a vacina”. A despeito da postura do mandatário, o país ultrapassou as 230 milhões de doses aplicadas, e mais de 85 milhões estão protegidos com duas doses ou com a vacina de dose única.

A primeira-dama Michelle Bolsonaro, que se imunizou durante viagem em que acompanhou o marido na Assembleia-geral das Nações Unidas, em Nova York, recebeu a vacina da Pfizer. “Minha esposa tomou nos Estados Unidos. Quis tomar. Conversei com ela, não consegui influenciar. Ela tomou. Você pode ver, eu não tenho influência sobre ela. Ela decidiu. Ela me acompanha. Vi acontecer na minha casa. Eu não vou tomar”, disse Jair Bolsonaro. Ele ainda deu indicativos de que há dúvidas se vai vacinar a filha caçula Laura, de 10 anos. “Ela [Michelle] tem uma filha de 18 anos e temos uma filha de 10. A gente vai conversar aqui, é uma coisa muito pessoal. Se morre uma criança dessas, de quem é a responsabilidade? Está mexendo com a vida dos outros”, afirmou.

Adversário político do governador de São Paulo João Dória, que disputará as prévias do PSDB para tentar ser o candidato do partido à Presidência da República, ele atacou a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan, de São Paulo, e disse que “jamais” concordaria em receber este imunizante. Apesar de a vacina ter sido aprovada pela Agência Brasileira de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o presidente disse que ela “não tem comprovação científica nenhuma” – o que não é verdade.

Em entrevista a VEJA, ele também relatou a conversa que teve com o ministro da Saúde Marcelo Queiroga, que havia recebido duas doses de CoronaVac e se contaminou na mesma viagem aos Estados Unidos. Segundo Bolsonaro, Queiroga deve cumprir quarentena não no hotel onde estava hospedada a comitiva brasileira, e sim na Embaixada do Brasil.

“Eu brinquei com ele, quando fui dar a notícia para ele no quarto, eu peguei a notícia, falei: ‘Queiroga, tomou que vacina?’ Ele falou: ‘CoronaVac, duas doses’. ‘Você tira a máscara para dormir ou dorme com máscara também?’, que ele vive de máscara. Ele riu. ‘Queiroga, infelizmente você vai ficar um tempo mais aqui nos Estados Unidos’”, disse. O presidente também questionou o cardiologista se ele pretendia se medicar contra a Covid ou, em ataque ao primeiro ministro da Saúde de seu governo, se “vai seguir o protocolo Mandetta, quando sentir falta de ar vai procurar alguém”. “A vida é um negócio, você não pode brincar com ela. Ele sorriu, não respondeu para mim, ou melhor, respondeu mas eu não vou dizer para vocês”, completou Bolsonaro.

Continua após a publicidade
Publicidade