Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bolsonaro diz orar para que Brasil ‘não flerte mais com o socialismo’

Em evento sobre política de refugiados, presidente pediu atenção para que países do continente não se aproximem 'do que vive o povo venezuelano'

Por Da Redação - Atualizado em 3 out 2019, 01h54 - Publicado em 3 out 2019, 01h08

O presidente Jair Bolsonaro discursou, nesta quarta-feira 2, em cerimônia sobre a Nova Fase da Operação Acolhida, que promove assistência a refugiados venezuelanos que migram para o Brasil. No evento, Bolsonaro disse que “mais importante” do que “resgatar a liberdade e paz na Venezuela” é colaborar para que países vizinhos não se aproximem daquilo que vive “nosso querido povo venezuelano”. “Brasil, peço a Deus. Não flerte mais com o socialismo”, declarou.

O presidente afirmou ainda que a Venezuela é “a prova viva” de que as Forças Armadas decidem se haverá ou não “liberdade e democracia”. “Quem mantém a ditadura venezuelana são as suas forças armadas”, disse.

No evento, foram assinado dois documentos: um de criação de fundo privado de doações ao programa acolhida e outro de protocolo de intenções para incentivar municípios a acolherem refugiados.

Em seu discurso, Bolsonaro voltou a elogiar a ditadura militar brasileira (1964-1985). Ele afirmou que resgatou a “honra de um grande coronel do Exército”, em referência a Carlos Alberto Brilhante Ustra, primeiro militar condenado por sequestro e tortura durante o regime.

Continua após a publicidade

O presidente disse ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, presente no evento, que muitos dos críticos do coronel estão presos em Curitiba “graças à coragem” dele.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade