Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsonaro deixa UTI, caminha e faz exercícios no hospital

De acordo com o boletim médico divulgado nesta tarde, o presidente segue apresentando boa evolução clínica e não tem sangramentos nem febre

O presidente Jair Bolsonaro teve alta hoje (30) da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) onde estava desde a cirurgia para reconstrução do trânsito intestinal, feita há dois dias. Ele fez duas caminhadas, além de exercícios ergométricos e de fisioterapia – físicos e respiratórios. Por enquanto, as visitas estão restritas. Bolsonaro evita conversar e falar.

O porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, afirmou que o presidente deve se reunir com ministros por videoconferência, no gabinete provisório, organizado no Hospital Israelita Albert Einstein. Segundo ele, Bolsonaro está usando o celular e acompanhando o noticiário.

Momentaneamente, o presidente deverá escrever e, não falar, para transmitir suas orientações aos ministros e assessores. O porta-voz não mencionou a possibilidade de reunião de Bolsonaro com os ministros de Minas e Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional nesta quinta-feira (31).

Rêgo Barros disse ainda que Bolsonaro “segue em boa evolução”, sem sangramentos, disfunções orgânicas, febre nem sinais de infecções. Segundo o porta-voz, o presidente está em jejum oral e aos poucos vai passar a ser alimentado. Por enquanto ele está recebendo alimentação por via endovenosa.

A cirurgia e internação do presidente, segundo o porta-voz, serão pagas por meio de convênio que a Presidência da República mantém com o Hospital das Forças Armadas (HFA).

“O excelentíssimo Presidente da República, jair Bolsonaro, recebeu alta da Unidade de Terapia Intensiva nesta manhã. Segue sem sangramentos ou disfunções orgânicas. Permanece sem febre ou outros sinais de infecção. Continua em jejum oral, recebendo por via endovenosa todos os nutrientes necessários para sua recuperação. Realizou os exercícios de fisioterapia respiratória e motora, e caminhou no corredor com boa tolerabilidade. Por ordem médica, o paciente segue com visitas restrita”, informou o boletim médico, assinado pelos médicos Antônio Luiz Macedo (cirurgião), Leandro Echenique (clínico e cardiologista), e Miguel Cendoroglo (Diretor Superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein).