Bolsonaro confirma que deve rever reserva indígena Raposa Serra do Sol

O presidente eleito afirmou que 'área mais rica do mundo' precisa ser explorada de forma racional e indígena, integrado à sociedade

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 17 dez 2018, 20h24 - Publicado em 17 dez 2018, 17h31

A reserva indígena Raposa Serra do Sol deverá ser revista por Jair Bolsonaro (PSL) assim que ele assumir a Presidência da República. Nesta segunda-feira 17, ele confirmou que sua equipe está analisando a situação do território que ocupa 1,7 milhão de hectares no Estado de Roraima.

“É a área mais rica do mundo. Você tem como explorar de forma racional, e no lado dos índios dando royalties e integrando o índio à sociedade”, disse Bolsonaro, sem dar detalhes.

Durante a campanha, e até mesmo no período em que era somente pré-candidato à Presidência, Jair Bolsonaro afirmou mais de uma vez que, caso chegasse ao Planalto, não haveria mais demarcação de terras a indígenas.

Inauguração de colégio para filhos de PMs

Também nesta segunda-feira, em Duque de Caxias (RJ), o presidente eleito participou da inauguração do colégio Percy Geraldo Bolsonaro, nome de seu pai, destinado a filhos de policiais militares do Rio de Janeiro. Bolsonaro voltou a afirmar que as instituições militares “estão à frente em grande parte das demais” porque, segundo ele, ainda impõem hierarquia e autoridade aos alunos.

Publicidade

Em discurso, Bolsonaro disse que com o passar dos anos os professores perderam autoridade e as escolas do país passaram a “instituir outras coisas à sociedade, como, por exemplo, a malfadada ideologia de gênero”.

“Hoje nós vemos que os colégios militarizados, colégios militares, estão na frente em grande parte dos demais. Não tem nada a ver no tocante à qualidade do professor, são muito parecidos. É que perdeu-se ao longo do tempo a possibilidade do exercício de autoridade por parte dos mestres. Muitos conseguem manter isso ainda, mas como regra isso foi deixado para trás.”

Na sequência, Jair Bolsonaro criticou a ideologia de gênero. “Com o tempo, passou-se a instituir outras coisas à sociedade, como, por exemplo, a malfadada ideologia de gênero, dizendo que ninguém nasce homem ou mulher, que isso é uma construção da sociedade. Isso é uma negação a quem é cristão, é uma negação a quem realmente acredita no ser humano. Ou se nasce homem, ou se nasce mulher”, afirmou o presidente eleito.

Bolsonaro destacou também a importância de se inaugurar novas escolas. “A educação é o que realmente move uma sociedade, movimenta um país. O nosso Brasil é um país onde praticamente quase nada temos sobre pesquisa, desenvolvimento e inovação. O país que não tenha uma base sólida nesses quesitos está condenado a ser escravo de quem os tenha”, disse, para depois voltar a defender o modelo militar. “Ninguém consegue ordem e progresso se não tiver disciplina e hierarquia.”

Publicidade