Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Bolsonaro comemora apoio de ruralistas; Alckmin critica adesão

Frente composta por 260 parlamentares, muitos deles ligados ao Centrão, declarou apoio ao candidato nesta terça; tucano chamou adesão de 'desrespeitosa'

Por Da Redação 2 out 2018, 17h49

O candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e seus aliados comemoraram o anúncio da adesão à sua campanha da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), também conhecida como bancada ruralista, que reúne 260 deputados federais e senadores no Congresso.

Bolsonaro publicou em sua conta no Twitter um vídeo em que aparece ao lado da deputada Tereza Cristina (DEM-MS), presidente da frente, para anunciar o apoio.

Em carta, ela disse que a decisão “atende ao clamor do setor produtivo nacional, de empreendedores individuais aos pequenos agricultores e representantes dos grandes negócios”.

No documento, a deputada lembra que “as recentes pesquisas eleitorais trazem o retrato da polarização na disputa nacional, o que causa grande preocupação com o futuro do Brasil”. E emenda: “Portanto, certos de nosso compromisso com os próximos anos de uma governabilidade responsável e transparente, uniremos esforços para evitar que candidatos ligados a esquemas de corrupção e ao aprofundamento da crise econômica brasileira retornem ao comando do nosso país”.

  • Embora setores do agronegócio já tenham prestado anteriormente, mas de forma segmentada, apoio a Bolsonaro, a decisão da frente parlamentar foi considerada importante. A avaliação dos aliados é que a adesão ajudará na formação de uma bancada no Congresso, considerada essencial para as votações e para a governabilidade, já que o candidato é de um partido pequeno, o PSL, e tem apoio apenas do PRTB. Dos 260 parlamentares que integram a FPA, muitos são oriundos do Centrão, que hoje apoia o tucano Geraldo Alckmin (PSDB) — 27 são senadores, e 233, deputados federais.

    ‘Manifestação desrespeitosa’

    Geraldo Alckmin criticou a manifestação de apoio dada pela bancada ruralista ao capitão reformado do Exército. O tucano disse que deputados e senadores da frente não foram consultados e que a manifestação foi um ato “individual e extemporâneo”.

    “A manifestação da FPA foi até desrespeitosa. Eu também sou agricultor e não fui consultado. Deputados e senadores não foram consultados. Quem eles consultaram?”, indagou Alckmin, que participou de um encontro de lideranças convocado pela União Geral dos Trabalhadores (UGT), na capital paulista.

    Com Estadão Conteúdo

    Continua após a publicidade
    Publicidade