Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bolsonaro chega a Washington para encontro inédito com Trump

O presidente brasileiro está hospedado em residência ao lado da Casa Branca, em Washington; encontro será realizado na terça-feira

Por Julia Braun, de Washington, D.C. - Atualizado em 18 mar 2019, 07h17 - Publicado em 17 mar 2019, 17h57

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, chegou neste domingo, 17, a Washington D.C., por volta das 15h40 do horário local (16h40 de Brasilia). O avião que levava o líder brasileiro aterrissou na Base Aérea de Andrews, de onde o presidente foi escoltado por policiais e agentes do Serviço Secreto americano até a Blair House. Manifestantes e jornalistas não puderam se aproximar do presidente nem dos demais membros da comitiva.

A casa onde Bolsonaro está hospedado é a residência oficial dedicada aos chefes de Estado e convidados de honra do governo dos Estados Unidos. O local fica muito próximo da Casa Branca.

O presidente brasileiro tem encontro marcado com Donald Trump na terça-feira, 19, na residência do líder americano. Os dois devem participar de uma coletiva de imprensa após a reunião.

O encontro de Bolsonaro com Trump já tem um efeito preanunciado — o Acordo de Salvaguardas sobre a Base de Lançamento de Alcântara —, que colocará o Brasil em um mercado que movimentou 3 bilhões de dólares em 2017. Mas ir além disso e engajar as economias dos dois países em um círculo de integração maior é algo que nem a simpatia pessoal nem a afinidade ideológica entre seus líderes poderá garantir.

Neste domingo à noite, o presidente participará de jantar na residência oficial do embaixador do Brasil em Washington, com a presença de formadores de opinião e jornalistas da extrema direita. 

Os participantes ainda não foram confirmados pela Presidência, mas sabe-se que o controverso ex-estrategista da campanha e conselheiro sênior de Donald Trump, Steve Bannon, foi convidado.

Olavo de Carvalho, o acadêmico conservador americano Walter Russell Mead e Gerald Brant, executivo do mercado financeiro em Nova York, responsável pela ponte da família Bolsonaro com Bannon, também devem estar presentes.

Comitiva

Acompanham o presidente na viagem os ministros de Relações Exteriores, Ernesto Araújo; Economia, Paulo Guedes; Justiça, Sérgio Moro; Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno; Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes; ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque; e Agricultura, Tereza Cristina. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do líder brasileiro, também está na capital americana.

Os ministros não estão hospedados na Blair House com o presidente, mas em um hotel também nas proximidades da Casa Branca.

Continua após a publicidade

Bolsonaro não é o primeiro a ficar no local. A ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também se hospedaram na casa de convidados oficiais dos Estados Unidos em anos anteriores.

‘Liberdade e prosperidade’

Pelo Twitter, Bolsonaro afirmou que seu encontro com Trump será em prol da “liberdade e prosperidade”.

O presidente ainda fez uma provocação: “Brasil e Estados Unidos juntos assustam os defensores do atraso e da tirania ao redor do mundo”, escreveu. 

Continua após a publicidade
Publicidade