Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsonaro ataca de ideologia de gênero a radares diante de evangélicos

Em discurso na Marcha para Jesus em Brasília, presidente também disse que leis existem para proteger as maiorias

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou neste sábado 10, na Marcha para Jesus em Brasília, que as leis devem proteger as maiorias e defendeu acabar com os radares. Ele também atacou a ideologia de gênero e pediu ao governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, que não introduza temas relacionados ao assunto nas escolas. “Ideologia de gênero é coisa do capeta”, disparou, diante do público evangélico.

Referindo-se às políticas de apoio aos homossexuais, Bolsonaro reputou aos governos anteriores terem “acolhido esse tipo de coisa”. “Se querem que eu acolha isso, apresentem uma emenda à Constituição e mudem o artigo. Como não tem como emendar a Bíblia, vou continuar acreditando nisso. Família é homem e mulher.” O evento reuniu 15 mil pessoas, segundo a organização.

Apesar do discurso, Bolsonaro garantiu não haver discriminação em seu governo. “Não discriminamos ninguém. Não temos preconceito. As leis existem para defender as maiorias.” O presidente agradeceu o apoio dos evangélicos ao seu governo. “Além do milagre da minha vida, temos o milagre da minha eleição. O apoio dos evangélicos foi decisivo”, avaliou.

Em discurso inflamado, disse ainda que travará na Justiça uma batalha contra os radares de velocidade no trânsito. “Estou numa luta para acabar com essa roubalheira. Tenho certeza que o governador do Distrito Federal também vai comprar essa briga aqui.”

Há duas semanas, a juíza Diana Wanderley da Silva, da 5ª Vara Federal de Brasília, homologou um acordo para a instalação de 1.140 radares em rodovias federais. Os aparelhos serão instalados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para cobertura de 2.278 faixas de rodovia que são consideradas mais críticas, em que trafegam um maior número de pessoas.

Entre as partes da ação estão o Ministério Público Federal (MPF), a União, o DNIT e o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). No processo, todos “ratificaram que as empresas de radares não ganham em função das multas aplicadas por infrações no trânsito”. No texto, a juíza destaca o que técnicos em engenharia de trânsito e a maioria da sociedade reconhecem a importância dos radares “como um dos principais instrumentos de controle de velocidade a salvar vidas, diante da grande imprudência de muitos motoristas no Brasil, e da falta de respeito às velocidades impostas”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Eduardo Martins

    Parabéns, presidente ! Diga mesmo o que eles precisam ouvir. Essa imprensa também distorce tudo e é um lixo.

    Curtir

  2. Carlos Zambon

    O rei da imbecilidade consegue imbecializar seu gado. Insanidade se tornando normalidade.

    Curtir