Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bolsonaro admite ter cometido infração de trânsito durante passeio de moto

Em Guarujá (SP), presidente circulou com o capacete levantado; segundo legislação de trânsito, violação gera multa e três pontos na carteira de motorista

Por Da Redação Atualizado em 25 abr 2019, 22h28 - Publicado em 25 abr 2019, 20h47

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em café da manhã com jornalistas, na manhã desta quinta-feira, 25, que cometeu uma infração de trânsito por ter circulado de moto no Guarujá, no litoral de São Paulo, com o capacete levantado.

O episódio ocorreu no sábado 20, quando Bolsonaro deixou o hotel militar em que estava hospedado na Semana Santa para dar uma volta pela cidade. O momento foi compartilhado pelo presidente em sua conta no Twitter. “Uma voltinha de moto no Guarujá! Um forte abraço a todos”, disse Bolsonaro.

A Resolução 456 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), de 26 de setembro de 2013, que disciplina o uso de capacete em motocicletas, motonetas, ciclomotores, triciclos motorizados e quadriciclos motorizados, estabelece, em seu artigo 3º, que o condutor e o passageiro deverão utilizar “capacete com viseira, ou na ausência desta, óculos de proteção, em boas condições de uso”, para circular em via pública.

Continua após a publicidade

O artigo 2º, que versa sobre a fiscalização, diz, ainda, que as autoridades de trânsito ou seus agentes devem observar se “o capacete motociclístico está devidamente afixado à cabeça”.

Segundo o artigo 169 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), dirigir sem atenção ou sem os cuidados indispensáveis à segurança é uma infração leve, gerando multa e três pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Indústria da multa

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar em transmissão pelas redes sociais o que chamou de “indústria da multa” dos radares em rodovias federais. Ele relacionou a determinação dele de cancelar a instalação de novos radares à queda no número de acidentes e mortes no feriadão da Páscoa.

“Tomamos uma decisão, junto com o ministro Tarcísio (Gomes de Freitas, da Infraestrutura) de não mais aceitarmos a proliferação de radares do Brasil. Isso era um caça-níquel, uma indústria da multagem. Conversei com o Tarcísio e vamos botar um fim de forma drástica nesta indústria da multa”, afirmou.

Na transmissão, o presidente recebeu ainda o secretário da Pesca, Jorge Seif Júnior. Ao comentar irregularidades na concessão de seguro-defeso, Bolsonaro disse que é preciso ter “obrigação de zelar pelo dinheiro público”.

Com Estadão Conteúdo

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)