Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bolívia não conseguiu provar acusações contra Molina, diz oposicionista

Adrian Oliva, em viagem a Brasília, afirma que acusações contra senador Roger Molina são parte da estratégia do governo boliviano para calar opositores

Por Gabriel Castro, de Brasília 3 set 2013, 17h52

O deputado Adrian Oliva, líder da oposição ao presidente Evo Morales na Bolívia, disse nesta terça-feira que o senador Roger Pinto Molina, que fugiu para o Brasil, é vítima de perseguição por ter feito denúncias contra o governo de seu país. Oliva está em Brasília, onde se encontrou com o colega parlamentar. As acusações feitas por Molina diziam respeito a corrupção, violação de direitos humanos e ao vínculo de autoridades com narcotraficantes.

“O senador Molina começou a receber denúncias e acusações no dia em que começou a confrontar politicamente o governo. Há uma relação direta entre as denúncias feitas pelo senador e as que atingiram o senador, todas de parte de autoridades do governo e todas orientadas a confrontar o trabalho de Molina”, disse Adrian Oliva. Molina era o principal nome da oposição no parlamento boliviano até se refugiar na embaixada brasileira em La Paz, em maio do ano passado.

Leia também:

Fuga de senador boliviano derruba Patriota

Embaixadores se declaram impedidos de apurar caso de senador boliviano

Adrian Oliva lembrou que, durante quinze meses, o governo boliviano não conseguiu convencer o Brasil de que as acusações contra Molina são procedentes – e que, portanto, não havia perseguição. “Passaram-se muitos meses para que o governo da Bolívia comprovasse que as acusações que pesam sobre o senador são certas. Mas não foi possível fazer isso, apesar de todos os esforços que foram realizados”, afirmou o deputado.

De acordo com o deputado, a maior parte dos processos contra o senador diz respeito a desacato.

Oliva também agradeceu o apoio do então embaixador brasileiro na Bolívia, Marcel Biato, e do ex-encarregado da embaixada, Eduardo Saboia. A dupla acolheu Molina na sede da representação diplomática brasileira. Foi Saboia quem organizou a viagem do senador até o Brasil, após 455 dias abrigado na embaixada. “Quem dera a Bolívia tivesse diplomatas como Biato e Saboia”, disse Oliva.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês